• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

Basf, Natura, Henkel e Braskem criam “bitcoin” da reciclagem

Empresas pretendem usar a tecnologia de blockchain para criar um mercado de reciclagem em que todos os elos da cadeia sejam devidamente remunerados
Centro de reciclagem em São Paulo: plataforma irá conectar as empresas e a cadeia informal de recicladores (Exame/Eduardo Frazão)
Centro de reciclagem em São Paulo: plataforma irá conectar as empresas e a cadeia informal de recicladores (Exame/Eduardo Frazão)
Por Rodrigo CaetanoPublicado em 24/03/2021 14:34 | Última atualização em 13/04/2021 17:29Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A Fundação Espaço Eco, instituição criada e mantida pela Basf, está coordenando um projeto que busca criar uma moeda digital para materiais de reciclagem. Batizada de reciChain, a iniciativa conta com a participação de Natura, Henkel, Braskem, entre outras empresas, principalmente do setor químico.

Quer aprender mais sobre ESG? Conheça o novo curso da Exame Academy

Segundo Rafael Viñas, gerente de operações da fundação, a iniciativa surgiu dentro da Basf. “Há um edital interno para fomento de negócios de impacto”, explicou Viñas, que foi o convidado desta semana do podcast ESG de A a Z, produzido pela EXAME. “Mas, entendemos que, para ter massa crítica, era necessário criar um consórcio de empresas.”

Com a tecnologia de blockchain, o consórcio criará tokens cuja finalidade é atestar a veracidade das informações, como a qualidade e as condições de origem dos materiais, e garantir que embalagens e outros produtos recicláveis não foram para em aterros ou lixões. As empresas participantes ou têm obrigações legais de fazer essa logística reversa, ou fizeram compromissos públicos de reduzir o descarte, como no caso da Natura.

Esses tokens servirão, também, para remunerar toda a cadeia de reciclagem. “O que nós estamos fazendo é estruturar a cadeia do pós-consumo”, afirma Viñas. “Vai funcionar como um negócio de impacto. Resolve um problema, mas também gera negócios. O token, ou essa moeda virtual, poderá circular entre os investidores.”

Uma parte importante da estruturação dessa cadeia é a formalização dos catadores e carroceiros, a ponta mais frágil da cadeia. A plataforma de blockchain irá conectar a empresa à rede de profissionais informais da reciclagem, permitindo que esse trabalho seja certificado para fins legais, ou forneça um volume consistente de matérias-primas para determinadas indústrias. Com isso, será possível remunerar adequadamente toda a cadeia, inclusive catadores e carroceiros.

Os primeiros testes com usuários da plataforma começaram a ser realizados neste mês. Até o meio do ano, a expectativa é lançar o MVP (mínimo produto viável, a primeira versão do sistema) da plataforma e abrir para o mercado no segundo semestre. O principal parceiro do projeto é o Instituto Recicleiros, organização sem fins lucrativos responsável pelo  programa Cidade+, que oferece suporte técnico para as prefeituras regulamentarem a coleta seletiva. Além das empresas citadas, fazem parte do consórcio a Bomix, de embalagens; a Triciclos, do setor de resíduos; e a Wise, recicladora de plásticos.

Assine a newsletter Exame.ESG e descubra como a sustentabilidade empresarial impacta diretamente a performance de seus investimentos

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.