Acompanhe:

A executiva que comanda R$ 300 bilhões em previdência privada no país

Ângela Beatriz de Assis assumiu em novembro a presidência da Brasilprev e dá a sua visão para o efeito do aumento dos juros no segmento de previdência

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ângela Beatriz de Assis, presidente da Brasilprev desde novembro de 2020: é a primeira mulher a comandar a instituição líder do mercado de previdência privada no país (Bloomberg/Bloomberg)

Ângela Beatriz de Assis, presidente da Brasilprev desde novembro de 2020: é a primeira mulher a comandar a instituição líder do mercado de previdência privada no país (Bloomberg/Bloomberg)

J
Josue Leonel, da Bloomberg

Publicado em 2 de abril de 2021 às, 08h00.

A taxa de juros historicamente baixa e as regras mais duras de aposentadoria no Brasil permitem que a Brasilprev amplie a captação de recursos mesmo com a volatilidade causada pela pandemia, diz Ângela Beatriz de Assis, primeira mulher presidente da empresa.

Sob o comando de Ângela desde novembro passado, a Brasilprev viu sua base crescer para 2,31 milhões de clientes em janeiro deste ano, 7,5% a mais do que no mesmo período do ano passado, enquanto os recursos administrados subiram 7%, para 312 bilhões de reais.

Para este ano, ela estima aumento entre 4% e 7% nas reservas de previdência. A companhia, que tem o Banco do Brasil (BBAS3) e a americana Principal como acionistas, possui 30% de participação no mercado de previdência privada, com mais de 300 bilhões em ativos sob gestão, segundo seu site. É a maior instituição do setor no país.

Ângela afirma que a volatilidade causada pela pandemia deve continuar e uma estabilização do mercado só virá com o avanço da vacinação.

Entretanto diz que a turbulência recente não mudou a tendência de busca pela aposentadoria privada, ampliada desde a aprovação da reforma da Previdência, em 2019, e o processo de queda dos juros no país.

Apesar de o Banco Central ter surpreendido com a elevação da Selic de 2% para 2,75% ao ano na reunião há duas semanas, historicamente a taxa ainda é “bastante baixa”.

“A recente elevação da taxa Selic não altera a nossa percepção sobre o crescimento da previdência privada”, afirma Ângela. “A queda do juro tem um papel muito relevante. O brasileiro estava muito acostumado a ter rentabilidade de dois dígitos com renda fixa”, diz a executiva, que atuou durante 28 anos no BB.

A presidente da Brasilprev diz que a estratégia de crescimento da empresa passa ainda pela educação financeira dos clientes, de maneira que os poupadores não saiam dos fundos em momentos de maior turbulência.

Últimas Notícias

Ver mais
Campos Neto sinaliza corte de 0,25 pp em maio e abre porta para alta de juros, dizem investidores
Economia

Campos Neto sinaliza corte de 0,25 pp em maio e abre porta para alta de juros, dizem investidores

Há 14 horas

Os recados de Campos Neto: aumento de incertezas e o risco de fim do ciclo de queda de juros
Economia

Os recados de Campos Neto: aumento de incertezas e o risco de fim do ciclo de queda de juros

Há 18 horas

Ibovespa cai pelo 6º pregão seguido e tem maior sequência negativa em 9 meses
seloMercados

Ibovespa cai pelo 6º pregão seguido e tem maior sequência negativa em 9 meses

Há 22 horas

Livro-bege dos EUA, dólar, IBC-Br e Petrobras (PETR4): os assuntos que movem o mercado
seloMercados

Livro-bege dos EUA, dólar, IBC-Br e Petrobras (PETR4): os assuntos que movem o mercado

Há 23 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais