ESG

A executiva que comanda R$ 300 bilhões em previdência privada no país

Ângela Beatriz de Assis assumiu em novembro a presidência da Brasilprev e dá a sua visão para o efeito do aumento dos juros no segmento de previdência

Ângela Beatriz de Assis, presidente da Brasilprev desde novembro de 2020: é a primeira mulher a comandar a instituição líder do mercado de previdência privada no país (Bloomberg/Bloomberg)

Ângela Beatriz de Assis, presidente da Brasilprev desde novembro de 2020: é a primeira mulher a comandar a instituição líder do mercado de previdência privada no país (Bloomberg/Bloomberg)

B

Bloomberg

Publicado em 2 de abril de 2021 às 08h00.

A taxa de juros historicamente baixa e as regras mais duras de aposentadoria no Brasil permitem que a Brasilprev amplie a captação de recursos mesmo com a volatilidade causada pela pandemia, diz Ângela Beatriz de Assis, primeira mulher presidente da empresa.

Sob o comando de Ângela desde novembro passado, a Brasilprev viu sua base crescer para 2,31 milhões de clientes em janeiro deste ano, 7,5% a mais do que no mesmo período do ano passado, enquanto os recursos administrados subiram 7%, para 312 bilhões de reais.

Para este ano, ela estima aumento entre 4% e 7% nas reservas de previdência. A companhia, que tem o Banco do Brasil (BBAS3) e a americana Principal como acionistas, possui 30% de participação no mercado de previdência privada, com mais de 300 bilhões em ativos sob gestão, segundo seu site. É a maior instituição do setor no país.

Ângela afirma que a volatilidade causada pela pandemia deve continuar e uma estabilização do mercado só virá com o avanço da vacinação.

Entretanto diz que a turbulência recente não mudou a tendência de busca pela aposentadoria privada, ampliada desde a aprovação da reforma da Previdência, em 2019, e o processo de queda dos juros no país.

Apesar de o Banco Central ter surpreendido com a elevação da Selic de 2% para 2,75% ao ano na reunião há duas semanas, historicamente a taxa ainda é “bastante baixa”.

“A recente elevação da taxa Selic não altera a nossa percepção sobre o crescimento da previdência privada”, afirma Ângela. “A queda do juro tem um papel muito relevante. O brasileiro estava muito acostumado a ter rentabilidade de dois dígitos com renda fixa”, diz a executiva, que atuou durante 28 anos no BB.

A presidente da Brasilprev diz que a estratégia de crescimento da empresa passa ainda pela educação financeira dos clientes, de maneira que os poupadores não saiam dos fundos em momentos de maior turbulência.

Acompanhe tudo sobre:AposentadoriaBanco CentralBB – Banco do BrasilBBAS3JurosPrevidência privada

Mais de ESG

Olimpíada de Paris: plano de Macron de nadar no Sena pode ir por água abaixo por causa da poluição

Mesmo chamada de ‘perda fixa’ a renda fixa pode pagar até IPCA + 7,5%; veja 2 títulos

Olimpíadas de Paris: pela 1ª vez, 43% das transmissões na Globo terão a participação de mulheres

Ibovespa opera em alta e tenta sustentar os 121 mil pontos com ajuda de Petrobras (PETR4)

Mais na Exame