Esfera Brasil
Um conteúdo Esfera Brasil

Falta de planos de sucessão preocupa lideranças, aponta relatório da Russell Reynolds

Para escolhas assertivas, processo deve contar com participação ativa dos conselhos de administração

Faria Lima é o endereço de multinacionais e startups: um dos mitos sobre sucessão diz que a escolha de novo CEO deve ser simples e direta. (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Faria Lima é o endereço de multinacionais e startups: um dos mitos sobre sucessão diz que a escolha de novo CEO deve ser simples e direta. (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Esfera Brasil
Esfera Brasil

Plataforma de conteúdo

Publicado em 12 de abril de 2024 às 06h00.

Aproximadamente 75% das lideranças percebem que há falta de planos de sucessão de CEOs bem-estruturados nas empresas, segundo dados mundiais da Russell Reynolds Associates, referência global em consultoria e desenvolvimento de lideranças.

Ainda segundo a consultoria, um bom planejamento exige metodologia bem-estruturada em um processo que deve iniciar de cinco a seis anos antes da nomeação do sucessor. A recomendação, portanto, quebra um dos mitos sobre sucessão no meio corporativo que diz que a escolha de um novo CEO deve ser simples e direta.

“Não há como fazer um bom processo de sucessão de um CEO sem a participação de um conselho maduro e bem-estruturado, por isso a importância de avaliar a eficácia dos conselhos de administração, processo em que podemos nos aprofundar na avaliação da maturidade e estrutura, com metodologia e escopo para encontrar os seus desafios e possíveis soluções”, aponta Jacques Sarfatti, sócio-diretor e líder da prática de Consultoria em CEO e Conselhos da Russell Reynolds no Brasil, no relatório.

Governança corporativa

De acordo com o advogado Frederico Bastos, que é professor de Direito Tributário e Planejamento Patrimonial do Insper e sócio do escritório BVZ Advogados, o desenvolvimento de um plano de sucessão em grandes empresas apresenta desafios significativos, principalmente devido à complexidade das estruturas organizacionais. Nesse processo, as estratégias das organizações a longo prazo devem ser consideradas para compreender quais são as habilidades desejadas em um novo líder.

Normas de governança bem-definidas também ajudam a minimizar os impactos de interesses pessoais no processo de sucessão e são fundamentais para que a escolha seja conduzida de maneira transparente e justa.

“Um dos principais obstáculos é a identificação e preparação de sucessores adequados para posições-chave. Essa tarefa exige não apenas a avaliação das competências técnicas e liderança dos potenciais candidatos, mas também uma análise profunda de sua capacidade de alinhar-se com a cultura e valores da empresa”, diz Bastos.

“Outro desafio crítico é garantir a continuidade dos negócios durante o processo de transição. Planos de sucessão mal-elaborados podem levar à desestabilização operacional, perda de conhecimento crítico e até mesmo a conflitos internos que afetam a performance da empresa. Isso se torna particularmente problemático em grandes empresas, onde a saída de um líder sem uma transição bem-planejada pode resultar em incertezas e uma queda na confiança de investidores e clientes. Portanto, é essencial que o plano de sucessão seja desenhado de forma estratégica, com etapas claras e suporte contínuo para os sucessores, assegurando assim a manutenção da estabilidade operacional e estratégica da empresa”, acrescenta Bastos.

Acompanhe tudo sobre:Faria Limasao-paulo

Mais de Esfera Brasil

Otimista com economia, Tebet pede eficiência no gasto público: ‘Não há social sem fiscal’

Inteligência artificial é tema de encontro entre representantes do Brasil e Japão

Relatório vê viabilidade técnica e ambiental para recuperação da BR-319, entre Manaus e Porto Velho

Transformação digital pode aumentar produtividade e reduzir custos, diz Márcio Elias Rosa

Mais na Exame