Economia

Trump é cisne negro da economia, mas não pelo que você imagina

"Na medida que a China aperta a política, o que acontece nos EUA se torna crítico", diz relatório que lista possíveis eventos inesperados e de alto impacto

O presidente norte-americano Donald Trump (Kevin Lamarque/Reuters)

O presidente norte-americano Donald Trump (Kevin Lamarque/Reuters)

João Pedro Caleiro

João Pedro Caleiro

Publicado em 4 de junho de 2017 às 08h00.

Última atualização em 4 de junho de 2017 às 08h00.

São Paulo - O que não faltam são polêmicas envolvendo Donald Trump, seja pelos seus tuítes da madrugada, suas relações com a Rússia ou por seu abandono recente do Acordo de Paris.

Mas não foi por essas razões que o presidente americano virou o maior "cisne negro" para a economia global, segundo relatório do Société Générale.

A tabela é divulgada a cada trimestre pelo banco francês e “cisnes negros” são um conceito criado por Nassim Nicholas Taleb para eventos inesperados e de alto impacto.

O maior risco atual é que os Estados Unidos não consigam passar nenhum dos cortes de impostos desejados por Trump.

Pouco se sabe até agora sobre os detalhes do seu plano tributário, mas o resumo já divulgado vai na direção de cortes que beneficiam os mais ricos e um grande aumento do déficit.

Para o mercado, o que importa é que isso seria um grande estímulo fiscal para a economia no curto prazo.

Se o plano não passar (chance de 30%), é um cisne negro. Se sair melhor do que o esperado (chance de 15%), é uma surpresa positiva para as projeções.

O SG nota que a atual expansão da economia americana começou em junho de 2009 e já é a terceira mais longa já registrada. Chegando em fevereiro de 2018, seria a segunda mais longa.

Mas para ser a primeira, o país precisaria continuar crescendo até maio de 2019 - quase 10 anos consecutivos.

"E na medida que a China aperta a política, o que acontece nos Estados Unidos se torna crítico", resume o relatório.

A possibilidade de um “pouso forçado” (desaceleração acentuada do crescimento) da China, risco recorrente nos relatórios do banco há anos, também segue no cardápio mas caiu de 20% para 15%.

No mesmo patamar está o risco de uma reprecificação em massa do mercado. O choque de incerteza de políticas na Europa caiu de 30% de chance no último relatório para 25% atualmente.

A derrota da nacionalista Marine Le Pen na França com a eleição de Emmanuel Macron foi positiva, mas seguem preocupando fatores como as negociações do Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia) e a fraqueza bancária na Itália.

Do lado positivo, aparecem possibilidades como o maior investimento em bens de capital (10%) e um processo acelerado de reformas na Europa (5%).

Veja na figura:

Tabela de cisnes negros

Tabela de cisnes negros (Société Générale/Rodrigo Sanches/Divulgação)

Acompanhe tudo sobre:ChinaDonald TrumpImpostosPolítica fiscalSociété Générale

Mais de Economia

Às vésperas de assumir Petrobras, Magda se reúne na empresa para avaliar cenário

Lula sinaliza possibilidade de vetar projeto de taxação de compras na Shein e AliExpress

Não há problema em divisão do Copom, diz Diogo Guillen

BC libera novo estoque limitado de moeda comemorativa de R$ 5; veja fotos e como comprar

Mais na Exame