Economia

Contas públicas têm superávit de R$ 1,17 bilhão, melhor desempenho para março desde 2022

O número veio acima da mediana deficitária das expectativas de R$ 1,70 bilhão

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 6 de maio de 2024 às 10h57.

Última atualização em 6 de maio de 2024 às 11h33.

O setor público consolidado (governo central, estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) registrou superávit primário de R$ 1,177 bilhão em março, após resultado negativo de R$ 48,692 bilhões de fevereiro, informou o Banco Central.

O resultado de março foi o melhor desempenho das contas consolidadas do país para o mês desde 2022, na série histórica do BC, que foi iniciada em 2001. Em março de 2023, houve déficit primário de R$ 14,182 bilhões. O resultado primário reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento dos juros da dívida pública.

O número de março veio acima da mediana deficitária das expectativas, de R$ 1,70 bilhão, apurada pela pesquisa do Projeções Broadcast com analistas do mercado financeiro. O intervalo das projeções ia de déficit de R$ 11,30 bilhões a superávit de R$ 3,90 bilhões.

Composição

No terceiro mês do ano, o resultado fiscal foi composto por um déficit de R$ 1,898 bilhão do governo central (Tesouro Nacional, Banco Central e INSS).

Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 3,418 bilhões. Enquanto os estados registraram um superávit de R$ 5,354 bilhões os municípios tiveram resultado negativo de R$ 1,936 bilhão.

As empresas estatais registraram déficit de R$ 343 milhões no mês.

Acumulado no 1º trimestre

De acordo com o BC, as contas do setor público consolidado acumularam um superávit primário de R$ 54,63 bilhões no primeiro trimestre de 2024, o equivalente a 1,98% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2023, o resultado foi deficitário em R$ 249,124 bilhões.

O superávit fiscal no ano até março ocorreu na esteira do saldo positivo de R$ 21,564 bilhões do governo central (0,78% do PIB). Os governos regionais apresentaram um superávit de R$ 34,578 bilhões (1,26% do PIB) no período.

Enquanto os estados registraram um superávit de R$ 32,576 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 2,002 bilhões. As empresas estatais registraram um resultado negativo de R$ 1,511 bilhão.

Acumulado em 12 meses

O setor público consolidado registrou déficit primário de R$ 252 869 bilhões em 12 meses finalizados em março, informou o Banco Central. Em porcentual do PIB, o déficit é equivalente a 2,29%. Até fevereiro, o déficit acumulado era de R$ 268,229 bilhões (2 44% do PIB).

O resultado fiscal negativo em 12 meses até março é composto por um déficit de R$ 273,424 bilhões do governo central (2,48% do PIB). Já os governos regionais apresentaram um saldo positivo de R$ 23 263 bilhões (0,21% do PIB) no período.

Enquanto os estados registraram um superávit de R$ 37,337 bilhões, os municípios apresentaram um rombo de R$ 14,074 bilhões em 12 meses. As empresas estatais registraram um resultado negativo de R$ 2,709 bilhões no período.

Acompanhe tudo sobre:SuperávitGoverno Lula

Mais de Economia

Câmara aprova taxação de compras em sites como Shein e AliExpress; texto segue para sanção

Exclusivo: o que pode mudar na PEC que amplia autonomia do BC e pode economizar R$ 5 bi

Pacheco devolve parte da MP sobre créditos do PIS/Cofins

Banco Mundial projeta crescimento global de 2,6% e de 2,2% para o Brasil em 2024

Mais na Exame