Risco fiscal desafia otimismo com retomada mais rápida no Brasil

Âncora fiscal do país, o teto de gastos é obstáculo à continuidade da ajuda emergencial, que vem estimulando a retomada; alta do desemprego ainda é esperada

Os sinais de retomada da economia brasileira têm se intensificado, mas são desafiados por ameaças que vão da restrição fiscal à extensão do auxílio emergencial ao desemprego elevado, além das incertezas sobre a evolução da pandemia no país e no exterior.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que indicadores mostram uma “retomada em V” da atividade após o Caged, divulgado na sexta-feira, mostrar a criação de 131.010 empregos em julho, bem acima do esperado.

A economista-chefe do Banco Santander, Ana Paula Vescovi, ex-secretária do Tesouro, não vê retomada econômica em V e recorre a um símbolo da matemática - a raiz quadrada - para explicar o seu cenário.

“Um mergulho no segundo trimestre, não tanto quanto se esperava, recuperação mais forte no terceiro trimestre e a partir daí uma recuperação mais lenta, mais gradual”, diz ela.

A restrição imposta pelo teto de gastos em meio à deterioração fiscal é um obstáculo à continuidade da ajuda emergencial que vem ajudando na retomada da economia, diz Marcelo Toledo, economista da Bradesco Asset Management.

Ele ainda vê como restrição a um maior crescimento o desemprego, que segue acima do visto na recessão entre 2014 e 2016.

Retomada em V de serviços é mais fraca que no varejo e indústria Retomada em V de serviços é mais fraca que no varejo e indústria

Retomada em V de serviços é mais fraca que no varejo e indústria (Bloomberg/Divulgação)

O cenário é de recuperação muito lenta e heterogênea porque o Brasil não progrediu no controle do coronavírus e as pessoas devem manter uma poupança precaucional ainda elevada, diz Tatiana Pinheiro, economista-chefe do BNP Paribas Asset Management Brasil.

Para ela, a transferência de renda mais do que compensou a queda da massa salarial, mas há muito setores que não são ligados às necessidades básicas com desempenho inferior, como é o caso de serviços. O “risco positivo” ao cenário seria o surgimento de uma vacina.

Economistas vêm aliviando as projeções de recessão após surpresas positivas dos últimos meses nos dados da indústria e varejo. A projeção do mercado para a contração da economia este ano chegou a atingir 6,54% em junho e voltou para -5,46% na pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central na segunda-feira.

Setores como a agropecuária e mineração terão resultados “bem razoáveis” e segmentos como construção e investimentos cairão menos que o previsto, diz Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados. “Entretanto, os riscos fiscais e de mercado de trabalho permanecem e podem impedir uma recuperação de longo prazo.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.