Acompanhe:

Prorrogação do auxílio emergencial gera impulso de 1,4% no PIB

Auxílio foi prorrogado até dezembro, no valor de 300 reais. Até o fim do ano, o programa terá adicionado outros 100 bilhões de reais à economia

Modo escuro

Continua após a publicidade
Trabalhador em Niterói: auxílio emergencial manteve parte do consumo nas cidades brasileiras (Luis Alvarenga/Getty Images)

Trabalhador em Niterói: auxílio emergencial manteve parte do consumo nas cidades brasileiras (Luis Alvarenga/Getty Images)

C
Carolina Riveira

Publicado em 1 de setembro de 2020 às, 11h43.

Última atualização em 1 de setembro de 2020 às, 20h30.

A prorrogação do auxílio emergencial trará novo impacto na movimentação da economia brasileira. Até o fim do ano, o programa deve adicionar cerca de 100 bilhões de reais, o que representa cerca de 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo nota a clientes da Necton Investimentos.

O governo anunciou nesta terça-feira, 1º, a prorrogação do auxílio emergencial até dezembro, mas com valor menor, de 300 reais. Antes, o valor estava em 600 reais e vinha sendo pago desde abril para amenizar os impactos da pandemia da covid-19.

A porcentagem de impacto do auxílio foi calculada com base no acumulado do PIB brasileiro nos últimos quatro trimestres, de 7,2 trilhões de reais.

Desde que começou a ser pago, o auxílio vem sendo capaz de segurar parte do consumo em um cenário de crise econômica e alto desemprego.

Outro estudo, de pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), aponta que o auxílio até agora, sem a prorrogação, já representava cerca de 2,5% do PIB, com mais de 182 milhões de reais (levando em conta os números do PIB de 2019). O cálculo foi feito pelos economistas Ecio Costa e Marcelo Freire.

Efeito regional

O efeito do auxílio emergencial é ainda mais significativo em algumas regiões. No Nordeste, o auxílio representou sozinho 6,5% do PIB, segundo o mesmo estudo da UFPE. O Maranhão é o estado brasileiro mais impactado: por lá, o benefício chega a 8,6% do PIB.

Há 17 estados em que o impacto do auxílio no PIB ficou acima da média nacional de 2,5%. Todos são das regiões Norte e Nordeste, com exceção de Goiás, onde o auxílio representou 2,6%, ligeiramente acima da média brasileira.

Já Santa Catarina (onde o auxílio teve impacto de 1,2% do PIB), Distrito Federal (0,7%) e São Paulo (1,3%) foram os lugares menos impactados. O auxílio teve menor participação no PIB de São Paulo ainda que o estado seja o que mais recebeu valores do programa, cerca de 30 bilhões de reais.

Em quase todos os estados brasileiros, o número de beneficiários do auxílio emergencial também já supera o de trabalhadores com carteira assinada, segundo levantamento do site Poder 360, com base em dados de julho do Portal da Transparência.

Ao todo, o auxílio emergencial chegou a mais de 60 milhões de pessoas, em uma amplitude sem precedentes. O Bolsa Família, principal programa de transferência de renda do governo, atinge pouco menos de 14 milhões de famílias.

O governo estuda ainda a implementação do Renda Brasil, programa que seria um substituto para o Bolsa Família, que hoje paga na casa dos 200 reais no máximo.

No anúncio da prorrogação do auxílio emergencial, em que estavam presentes os líderes no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, o Renda Brasil foi citado, mas o governo não bateu o martelo sobre seu valor. A equipe econômica defende um valor parecido ao do novo axuílio, entre 250 e 300 reais, mas junto com unificação ou corte de outros programas, como o Farmácia Popular.

A economia cairá menos?

A prorrogação do auxílio pode também mudar também a projeção de queda da economia brasileira para este ano. Atualmente, a projeção da Necton é de queda de 7,5% do PIB, que deve ser reduzida para em torno de 6% com o novo auxílio, segundo nota a clientes. A revisão oficial ainda será feita.

Mesmo antes da prorrogação oficial do auxílio, o Boletim Focus do Banco Central, que traz as projeções de analistas do mercado financeiro, apontava uma contração de 5,28% no PIB em 2020. Já a previsão oficial do governo aposta em queda ainda menor, de 4,7%.

Nesta terça-feira, 1º, o IBGE também divulgou os números oficiais do PIB do segundo trimestre, de abril a junho. O PIB caiu 9,7% em relação ao primeiro trimestre, entrando oficialmente em recessão técnica.

A queda já era esperada. Ainda assim, faz a economia brasileira voltar para patamares de 2009 -- o que tem feito economistas classificarem os últimos anos como "década perdida".

O segundo trimestre foi o pior da pandemia e a expectativa do mercado é que as economias mundo afora comecem a se recuperar a partir de agora. "Apesar do número expressivo, importante pontuar que no início da pandemia a mediana do mercado esperava algo bem pior, com queda de dois dígitos, próximas de 12%", escreveu em relatório o economista Arthur Mota, da Exame Research, casa de análise de investimentos da EXAME. (Leia aqui o relatório completo)

Últimas Notícias

Ver mais
Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos
Economia

Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos

Há um dia

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad
Economia

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad

Há um dia

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE
Economia

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE

Há um dia

Brasil sobe duas posições e fecha 2023 como a 9ª economia do mundo; veja lista completa
Economia

Brasil sobe duas posições e fecha 2023 como a 9ª economia do mundo; veja lista completa

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais