Projeção para inflação em 2016 piora pela 5ª vez seguida

Depois que o Banco Central piorou a estimativa de inflação para este ano, economistas subiram projeção de 7,19% para 7,25%

São Paulo - Economistas de instituições financeiras elevaram pela quinta vez seguida a expectativa para a alta dos preços neste ano mas deixaram inalterada a previsão para o ano que vem depois que a ata da última reunião do Banco Central mostrou piora na sua previsão para 2016 mas a inflação em 2017 no centro da meta.

A pesquisa Focus do BC divulgada nesta segunda-feira indicou alta de 0,06 ponto percentual na expectativa para o avanço do IPCA este ano, a 7,25 por cento, superando o teto da meta do governo, de 4,5 por cento com tolerância de 2 pontos percentuais.

A estimativa para o ano que vem, por sua vez, continuou pela quinta semana seguida em 5,50 por cento, dentro da meta para 2017, que é de 4,5 por cento com tolerância de 1,5 ponto.

Para a Selic, não houve alteração nas expectativas de que ela encerrará este ano a 13 por cento e 2017 a 11,25. O Top 5 --grupo que mais acerta as projeções no Focus-- também não mostrou mudanças, com a taxa básica de juros fechando 2016 a 13,75 por cento e o ano que vem a 11,25 por cento.

Depois de decidir pela manutenção da taxa básica de juros em 14,25 por cento, o Comitê de Política Monetária do BC reforçou na semana passada na ata dessa reunião que não há espaço para redução da taxa básica de juros.

O BC ainda elevou suas estimativas para a inflação em 2016, mas para 2017 cortou suas estimativas, projetando que a inflação ficará no centro da meta.

Essa foi a última reunião antes de Ilan Goldfajn assumir o comando do BC. O novo presidente afirmou ao assumir o cargo que a autoridade monetária poderá usar com "parcimônia" as ferramentas cambiais e reforçou o compromisso em levar a inflação para o centro da meta oficial do governo.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), os especialistas consultados passaram a ver agora contração neste ano de 3,44 por cento, contra queda antes de 3,60 por cento.

A economia brasileira iniciou o segundo trimestre praticamente estagnada, com variação positiva de 0,03 por cento em abril pelo Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), mas interrompeu quase um ano e meio de quedas.

Em 2017 a recuperação esperada contiua sendo de um crescimento de 1,00 por cento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.