Pressão extra ainda deve atingir câmbio em 2020. Como fica a economia?

Instituições financeiras deverão comprar uma grande quantidade de dólares em dezembro, que nos cálculos de agentes de mercado, pode chegar a US$ 16 bi

Acumulando quase 40% de desvalorização em 2020, o câmbio ainda deve passar por uma pressão extra neste ano.

Isso porque instituições financeiras deverão comprar uma grande quantidade de dólares, que nos cálculos de agentes de mercado, pode chegar a US$ 16 bilhões, para ajustar suas posições de overhedge — uma epécie de seguro extra contra mudanças cambiais. A operação perdeu eficácia diante de mudanças anunciadas pelo governo no meio do ano, ligadas à tributação de investimentos no exterior.

Quer conhecer os melhores fundos que investem em dólar? Confira a lista completa. 

Até o meio do ano, os principais bancos brasileiros tinham mais de US$ 50 bilhões em overhedge ligados a investimentos no exterior, mas já começaram a desfazer sua posição, antecipando o movimento de desmonte que deve seguir em dezembro.

“Grande parte dessa redução foi no segundo trimestre, quando o dólar chegou a fechar em R$ 5,90 ( maior patamar da história). O BC chegou a atuar várias vezes em função desse fluxo de compra de dólares, mas não impediu que ele chegasse nesse nível”, diz Alfredo Menezes, executivo-chefe da Armor Capital e ex-diretor da tesouraria do Bradesco.

O movimento, já amplamente esperado, chegou, inclusive, a causar grande desconforto entre mercado e Banco Central na semana passada, devido à informação de que a autoridade monetária estaria planejando uma intervenção para garantir liquidez ao mercado.

O ruído aconteceu após comentário extraoficial feito por um diretor da instituição durante uma live com o Itaú. Em sua fala, ele teria dado a entender, inclusive, que o BC pode ser um pouco mais “pró-ativo” em sua ação em relação a intervenções realizadas mais cedo neste ano.

 (EXAME Research/Exame)

Menezes ressalta que US$ 16 bilhões é o mínimo que as instituições devem comprar para desfazer parte do overhedge: “Se os bancos decidirem, além disso, reduzir patrimônio lá fora, esse número pode chegar a US$ 23 bilhões”, diz.

Uma eventual supervalorização da moeda americana em relação ao real nesse contexto seria temporária, mas se somaria a outras forças contrárias. Primeiro, há o fato de que, historicamente, a liquidez em dólares é reduzida no mercado no fim do ano, quando empresas e fundos ficam menos dispostos a correr riscos.

“A isso soma-se o cenário de incerteza fiscal agravado pela falta de clareza em relação às reformas, já que o prazo para que o governo divulgue seu plano de ação está perto do fim”, diz Arthur Mota, economista da Exame Research, braço de investimentos da Exame.

No limite, se a a taxa de câmbio ficar por mais tempo num patamar depreciado, acrescenta Mota, pode afetar inflação interna. Mas não precisa chegar nesse nível para impactar negativamente a economia:

“Essa volatilidade faz mal para economia como um todo. Esse é o maior mal. Atrapalha as operações, as previsões, o próprio timing do hedge”, explica Alexandre Espírito Santo, economista-chefe da corretora Órama. “A pessoa que importa, ao invéz de comprar, espera. Atrapalha tudo que está vinculado à taxa de câmbio e às operações de comércio, e isso acaba afetando as contas externas”, diz. “É isso que o BC mais teme”.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.