Economia

Planejamento envia à Casa Civil MP para pagar R$ 93,143 bi em precatórios

Texto assinado pela ministra Tebet segue para a Casa Civil para publicação.

Texto assinado pela ministra Tebet segue para a Casa Civil para publicação.  (Diogo Zacarias/ Ministério da Fazenda/Flickr)

Texto assinado pela ministra Tebet segue para a Casa Civil para publicação. (Diogo Zacarias/ Ministério da Fazenda/Flickr)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 20 de dezembro de 2023 às 11h31.

Última atualização em 20 de dezembro de 2023 às 12h05.

O Ministério do Planejamento e Orçamento (MPO) encaminhou nesta quarta-feira, 20, o texto da medida provisória que abre crédito extraordinário para o pagamento do passivo dos precatórios, no montante de R$ 93,143 bilhões. A medida, assinada pelo presidente Luiz Inácio da Silva, será enviada a Casa Civil e publicada no Diário Oficial da União.

A apuração do valor total e a instrução inicial da proposta do MPO que abre o crédito extraordinário foi feita pela Secretaria de Orçamento Federal (SOF), com base em informações solicitadas ao Poder Judiciário.

Com os créditos orçamentários, será possível a efetivação do pagamento pelos órgãos do Poder Judiciário, viabilizada pelos repasses financeiros da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) do Ministério da Fazenda. Deste modo, o Governo cumpre o acórdão do Supremo Tribunal Federal (STF), retomando, assim, a quitação do estoque de precatórios.

Aprovação do STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou, no início do mês, o governo federal a quitar os R$ 95 bilhões em precatórios. Os precatórios, que são dívidas do governo com pessoas e empresas cujo pagamento já foi determinado por uma decisão judicial definitiva, estavam represados pela chamada "PEC do Calote", que "pedalou" o pagamento dessas dívidas da União durante o governo do presidente Jair Bolsonaro até 2026.

O ministro André Mendonça, indicado ao STF por Bolsonaro, foi o único a votar contra o pedido do governo para regularizar o pagamento. O ministro Kássio Nunes Marques, também indicado pelo ex-presidente, acompanhou a maioria.

O que são os precatórios?

Os precatórios são dívidas decorrentes de decisões judiciais contra a União que já transitaram em julgado - ou seja, em que não há mais possibilidade de contestação.

São obrigações do governo que vão desde processos de grandes empresas e de servidores públicos, a questões previdenciárias que se arrastam há anos na Justiça. Um dos exemplos mais comuns incluem servidores públicos que iniciam processo judicial contra o governo pelo não pagamento de benefícios. Quando não se tem mais recursos judiciais, a dívida é obrigatoriamente anexada ao orçamento público.

Como essa história começou?

O governo Bolsonaro, em 2021, propôs uma alteração na forma de pagamento dos precatórios como solução orçamentária. Na época, o então ministro da Economia, Paulo Guedes, chamou a dívida de R$ 89 bilhões em precatórios de “meteoro” que ia colidir contra as contas públicas.

Nesse sentido, a PEC dos Precatórios aprovada em novembro de 2021 no Congresso alterou o cálculo do teto de gastos, vigente na época, e virou a saída do presidente Jair Bolsonaro para viabilizar o Auxílio Brasil de R$ 400.

O governo do ex-presidente Jair Bolsonaro limitou o pagamento dos precatórios ao valor quitado pelo governo federal em 2016, acrescida da inflação ano a ano. Como a cada ano o limite de pagamento está menor que o total que o governo deveria pagar, acumula-se um estoque, ou seja, as dívidas vão se acumulando. Até então, toda a dívida sinalizada pela Justiça era paga pelo governo federal sem limitações (é comum, porém, que os estados limitem os pagamentos dos seus precatórios).

Acompanhe tudo sobre:Simone-TebetMinistério do PlanejamentoPrecatórios

Mais de Economia

Conselho do INSS discute corte de juros do consignado para 1,66% ao mês

Mesmo com sinais de fim do ciclo de cortes, governo vê espaço para Selic abaixo de 10% ao ano

Mercadante diz que votação de LCD no Senado deve ficar para próxima semana por causa do feriado

Haddad diz que debate sobre taxação de compras internacionais está 'polarizado'

Mais na Exame