Economia

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA têm alta moderada

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego subiram em 7 mil, para 207 mil em dado ajustado sazonalmente, na semana encerrada em 1º de janeiro

EUA: Economistas consultados pela Reuters previam 197 mil pedidos para a última semana. (Justin Sullivan/Getty Images)

EUA: Economistas consultados pela Reuters previam 197 mil pedidos para a última semana. (Justin Sullivan/Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 6 de janeiro de 2022 às 12h02.

Última atualização em 6 de janeiro de 2022 às 12h04.

O número de pessoas nos Estados Unidos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego aumentou na semana passada e pode subir ainda mais nas próximas semanas em meio a interrupções decorrentes da alta de infecções por covid-19.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego subiram em 7 mil, para 207 mil em dado ajustado sazonalmente, na semana encerrada em 1º de janeiro, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira. As solicitações caíram para 200 mil na semana anterior.

Economistas consultados pela Reuters previam 197 mil pedidos para a última semana.

As solicitações geralmente sobem durante a temporada de festas de fim de ano, mas uma escassez aguda de trabalhadores interrompeu esse padrão sazonal, resultando em números mais baixos de pedidos ajustados sazonalmente nas últimas semanas. Havia 10,6 milhões de vagas de trabalho em aberto nos EUA no final de novembro.

  • Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia e como eles afetam o seu bolso. Assine a EXAME 
Acompanhe tudo sobre:DesempregoEstados Unidos (EUA)Seguro-desemprego

Mais de Economia

Exclusivo: Sky fecha parceria com Amazon para vender internet por satélite no Brasil

STF decide que Receita não pode cobrar tributação do terço de férias antes de agosto de 2020

Análise: Haddad precisa de uma vitória política

TCU aprova contas do governo Lula em 2023, mas aponta distorções de R$ 20 bi

Mais na Exame