Paraná tem pior seca dos últimos 30 anos

Estado é o segundo maior produtos de graõs e estiagem terá impacto sobre safras de feijão e milho

Um estudo feito pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, mostra que o estado enfrenta a pior seca dos últimos 30 anos. E a previsão é de que as safras de feijão e de milho sejam as mais afetadas pela estiagem histórica.

O estado é o segundo maior produtor de grãos do Brasil e um dos maiores produtores de feijão do país. De acordo com o Instituto Brasileiro do Feijão e dos Pulses, o Paraná tem perto de 30% da produção nacional do tipo carioca e 73% do feijão preto.

O estudo analisou o volume de chuvas dos primeiros meses do ano, comparando com a média histórica. Os dados foram coletados do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) e do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

O relatório mostra que a seca vem desde junho de 2019 mas se intensificou nos meses de março, abril e maio deste ano. Na região sul do estado, onde se concentra o cultivo de feijão, em abril, por exemplo, choveu 47 milímetros, enquanto a média é de 146.

Segundo a pesquisa do Departamento de Economia Rural, a estiagem fez a produtividade cair aproximadamente 39%. A produção da segunda safra de feijão, que era estimada em 438 mil toneladas, está em 270 mil.

Além disso, a qualidade do grão também ficou prejudicada. O relatório mostra que apenas 17% das lavouras estão em boas condições. Outros 59% estão em condições médias e 32% ruins.

Salatiel Turra, chefe do Deral, explica que se a seca continuar, a situação é de alerta mas neste momento tem um impacto menor porque 80% da safra já foi colhida. “A nossa preocupação é com o milho que ainda está em uma fase de desenvolvimento e apenas 2% foi colhido”, diz.

Segundo Turra, 80% da safra de milho no Paraná está em situação mais crítica. A estimativa é de que as perdas cheguem a 1,6 milhão de toneladas, o que corresponde a quase 15% da produção. Isso significa um prejuízo de cerca de 1 bilhão de reais para os produtores de milho do estado.

Governo decreta emergência hídrica

Por causa da estiagem, o governo do estado decretou, no começo de maio, emergência hídrica por 180 dias. Além de impactar o campo, a falta de chuvas também afeta o abastecimento de água da Região Metropolitana de Curitiba, onde vivem 3,2 milhões de pessoas.

Em algumas regiões da capital paranaense, as restrições de consumo chegam a ser de 36 horas, duas vezes por semana.

Desde março, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) implantou um sistema de rodízio de água. Das quatro barragens que abastecem a região de Curitiba, a do Iraí é que está em situação mais crítica, com 13,72% de capacidade. O sistema todo tem 38,35% de volume.

Situação não deve melhorar

Para Pedro Fontão, professor da Universidade Federal do Paraná e um dos coordenadores do Laboratório de Climatologia, a situação não deve melhorar logo.

“O cenário de previsão para os próximos meses não é tão animador, e a curto e médio prazo, não existe uma perspectiva otimista e concreta para a ocorrência de chuvas mais volumosas, que resolveriam a situação dos reservatórios e da agricultura,” diz.

Ele ainda alerta que a pouca chuva também pode se estender até 2021. “Um fator preocupante é a possibilidade de ocorrência do fenômeno La Niña, que poderia afetar as chuvas, negativamente, no sul do Brasil, para o final deste ano e início do próximo”, afirma.

Veja as fotos da estiagem no estado

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.