Acompanhe:

Para Gleisi, Lula protegeu Haddad ao admitir que ‘dificilmente’ cumprirá meta de déficit zero

Declarações de Lula causaram incerteza no mercado na sexta-feira, 27. Na próxima semana, Copom se reunirá para decidir sobre taxa de juros

Modo escuro

Continua após a publicidade
O presidente Lula, a presidente do PT, Gleisi Hofmann, e o atual ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em evento do PT em 2019 (Ricardo Stuckert/Divulgação)

O presidente Lula, a presidente do PT, Gleisi Hofmann, e o atual ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em evento do PT em 2019 (Ricardo Stuckert/Divulgação)

A presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva “protegeu” o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ao admitir que o governo “dificilmente” cumprirá a meta de déficit zero em 2024. Para Gleisi, “o resultado primário zero será impossível no ano que vem”. A parlamentar transferiu parte da responsabilidade ao que chamou de “criminosa taxa de juros mantida nas alturas” pelo presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto.

LEIA MAIS: Análise: Mudança ou abandono de meta fiscal pode frear queda de juros

LEIA MAIS: Declarações de Lula reforçam incertezas fiscais e pesam para queda do Ibovespa

Em café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto na sexta-feira, 27, Lula afirmou que a meta estabelecida por Haddad dificilmente ficará de pé. O presidente disse ainda que o mercado é “ganancioso” e faz cobranças irreais do governo. “Dificilmente chegaremos à meta zero até porque não queremos fazer corte de investimentos e de obras”, disse Lula.

Como a EXAME mostrou, as declarações de que a meta fiscal de 2024 "não precisa" ser um déficit zero pegaram mal entre investidores e técnicos da equipe econômica.

Auxiliares do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, classificaram as afirmações como “precipitadas” e “equivocadas”, especialmente em um momento em que a pauta de medidas para aumentar a arrecadação voltou a andar na Câmara dos Deputados.

“Temos uma agenda ambiciosa e difícil que depende do Congresso. Perseguir a meta é fundamental. A declaração do presidente abre espaço para debater a mudança da meta mesmo antes da aprovação do orçamento e fragiliza o arcabouço fiscal”, disse um técnico da equipe econômica.

A versão de Gleisi Hoffmann

O ministro da Fazenda firmou o objetivo de déficit zero como necessidade para que o Arcabouço Fiscal dê certo, mas outros integrantes do governo tentam mover a meta para baixo.

No sábado 28, Gleisi publicou no X (antigo Twitter) que a fala de Lula não desautorizou Haddad.

“O presidente Lula protegeu o ministro Fernando Haddad ao trazer para si a responsabilidade da política fiscal e reconhecer que o resultado primário zero será impossível para o ano que vem”, opinou Gleisi.

A presidente do PT elogiou o ministro da Fazenda, mas afirmou que não “depende dele” o cumprimento da meta fiscal.

Como de costume, aproveitou para criticar abertamente Campos Neto, com quem parte do governo tem divergências. “Infelizmente nem tudo depende dele [de Haddad] e da equipe econômica, como o crescimento da receita por exemplo. Entram aqui Congresso Nacional, decisões judiciais, postergações administrativas. Também entra outro grande obstáculo, que é a criminosa taxa de juros mantida nas alturas pelo BC de Campos Neto”, escreveu ela.

Gleisi descartou uma possível reação negativa do Congresso às falas de Lula como “pura especulação” e “aposta de setores da mídia”. “O presidente Lula apenas assumiu que a realidade não permitirá o resultado almejado e, como um ponto importante de credibilidade, falou que a meta terá de ser reavaliada”, disse. “Quanto mais realistas as metas, menos complicadas ficam as negociações políticas. Sem drama, menos, a vida continua com a perspectiva de todos poderem melhorar”.

Meta fiscal: reação do Congresso às falas de Lula

Na sexta, o relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024, Danilo Forte (União Brasil-CE), disse que a fala de Lula foi “brochante”. “As declarações do presidente Lula sobre o abandono da meta fiscal causam constrangimento ao ministro Fernando Haddad, que tem lutado muito para o atingimento do déficit zero a partir da aprovação da agenda econômica”, afirmou em nota à imprensa.

O presidente do Progressistas, senador Ciro Nogueira (PI), declarou no sábado, 28, que a fala de Lula sobre o déficit “derrubou na prática o ministro da Fazenda e destituiu a estabilidade fiscal”. “Pensando bem, é mais barato Lula viajar…” escreveu ele no X.

A reação do mercado

bolsa brasileira operou a maior parte do da sexta-feira, 27, em estabilidade, mas virou para a queda no início da tarde.

Isso porque o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, disse em encontro com jornalistas que dificilmente o déficit zero nas contas públicas será atingido em 2024 — meta que é proposta pelo Ministério da Fazenda. Na avaliação do chefe do Executivo, um rombo de 0,5% ou 0,25% não seria "nada" e ele ainda reforçou que tomará a decisão "que seja melhor para o Brasil".

A partir desta segunda-feira, 30, será possível testar parte das expectativas sobre a queda da Selic. Na quarta-feira, o Copom se reunirá para decidir um corte ou não na taxa básica de juros. O mercado de juros precifica um novo corte de 0,50pp da Selic na próxima semana, para 12,25%, e vai checar no comunicado se o Copom mantém a sinalização de reduções da mesma magnitude nas “próximas reuniões”.

LEIA MAIS: Copom e nova diretoria do BC: cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

“O BC pode reconhecer um ambiente global de maior risco devido ao conflito no Oriente Médio e à alta dos yields dos títulos americanos. Isso pode ser lido como relativamente mais hawkish, embora sem impedir novos cortes nas reuniões seguintes”, diz Adriana Dupita, da Bloomberg Economics. 

Com Estadão Conteúdo

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Governo intensifica diálogo sobre rotas de integração sul-americanas na Caricom
Brasil

Governo intensifica diálogo sobre rotas de integração sul-americanas na Caricom

Há 5 horas

FecomercioSP avalia que revogação do Perse afetará receitas do setor de eventos já neste ano
Brasil

FecomercioSP avalia que revogação do Perse afetará receitas do setor de eventos já neste ano

Há 7 horas

Desigualdade foi pela primeira vez centro de debate no G20, diz secretário da Fazenda
Economia

Desigualdade foi pela primeira vez centro de debate no G20, diz secretário da Fazenda

Há 7 horas

Governo mantém reoneração da folha de pequenos municípios e revolta prefeitos
Brasil

Governo mantém reoneração da folha de pequenos municípios e revolta prefeitos

Há 8 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais