No G20, Haddad defende taxação ‘justa’ de ricos e reforma na governança financeira global

Na semana que vem, em Brasília, a Câmara dos Deputados deve votar o PL dos super-ricos

Haddad: precisamos urgentemente melhorar as nossas instituições financeiras internacionais, fazer com que os mais ricos paguem sua justa cota de impostos (Diogo Zacarias/MF/Flickr)
Haddad: precisamos urgentemente melhorar as nossas instituições financeiras internacionais, fazer com que os mais ricos paguem sua justa cota de impostos (Diogo Zacarias/MF/Flickr)
Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 13 de outubro de 2023 às 15h37.

Última atualização em 13 de outubro de 2023 às 16h04.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, voltou a defender a taxação de fortunas, dessa vez em reunião dos ministros das Finanças e presidentes de bancos centrais do G20, em Marrakech, no Marrocos. Em discurso durante o encontro, Haddad afirmou ser necessário que os ricos paguem uma cota “justa” de impostos.

"Talvez digam que a agenda proposta pelo Brasil para o G20 é ambiciosa demais. Nós acreditamos que ela é realista e necessária. Precisamos urgentemente melhorar as nossas instituições financeiras internacionais, fazer com que os mais ricos paguem sua justa cota de impostos, tratar do problema da dívida em um número crescente de países da África, Ásia e América Latina, e, de maneira eficiente, mobilizar recursos públicos e privados para uma economia global mais verde e sustentável", afirmou Haddad.

Na semana que vem, a Câmara dos Deputados deve colocar em votação a proposta do governo para ampliar a taxação dos super-ricos. O projeto de lei une a sugestão de cobrança de impostos para investimentos em fundos offshores, fora do país, e a tributação dos chamados fundos exclusivos, que reúne apenas investidores selecionados.

A segunda sugestão havia sido enviada ao Congresso Nacional em forma de medida provisória, mas foi incluída no mesmo projeto de lei das offshores pelo relator, deputado Pedro Paulo (PSD-RJ), a pedido do governo. A previsão é de que o PL entre em votação no plenário na próxima terça-feira, depois de ajustes sugeridos por parlamentares.

Reforma na governança global

Em Marrakech, o ministro da Fazenda também voltou a defender uma bandeira do presidente Lula, de reforma nas instituições de governança global. Fernando Haddad deu enfoque a necessidade de adaptar os grupos financeiros a uma nova realidade.

"A maior parte das instituições e práticas de governança global parecem estar presas ao século 20, refletindo um mundo que já não existe mais. Se o G20 quiser encontrar soluções efetivas para os desafios globais contemporâneos, será necessário reformar a governança econômica global. As instituições financeiras internacionais precisam ser mais ambiciosas e representativas da realidade mundial no nível político, e mais poderosas, ágeis e eficientes no nível técnico", disse no encontro que reúne lideranças de países-membros do Fundo Monetário Internacional (FMI)

Mais de Economia

Silveira diz que preço do dólar e do brent podem ajudar na distribuição de dividendos da Petrobras

Desenrola para empresas e crédito para MEIs e CadÚnico: veja os detalhes do programa Acredita

Relação dívida/PIB nos países da zona do euro cai de 90,8% em 2022 para 88,6% em 2023

Na China, PBoC mantém principais taxas de juros (LPRs) inalteradas

Mais na Exame