Economia

Na China, presidente da Argentina se reúne com Dilma e formaliza processo de adesão ao NBD

Instituição pode garantir financiamentos ao país e novas posições na dinâmica financeira global, afirmou a Casa Rosada

Alberto Fernández, presidente da Argentina (Agustin Marcarian/File Photo/Reuters)

Alberto Fernández, presidente da Argentina (Agustin Marcarian/File Photo/Reuters)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 17 de outubro de 2023 às 14h44.

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, se reuniu nesta terça-feira, 17, em Xangai com a presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) dos Brics, Dilma Rousseff, ocasião na qual iniciou formalmente o processo de adesão de seu país à instituição.

De acordo com a Casa Rosada, o NBD "é essencial para fornecer financiamento a países com economias emergentes, uma grande oportunidade para o futuro da Argentina e mais um passo em direção a uma arquitetura financeira global inclusiva com mais países envolvidos".

Segundo comunicado do governo argentino, durante a reunião, que aconteceu na sede do NBD, Fernández agradeceu à ex-presidente do Brasil o convite para a Argentina ingressar no bloco de economias emergentes junto com outros cinco países, o que representa "uma oportunidade única de abertura de novos mercados consolidar os existentes, promover fluxos de investimento, aumentar as exportações e desenvolver a aplicação de novas e melhores tecnologias".

"Agradeço sinceramente o empenho de Dilma, minha sempre respeitada e querida amiga, em facilitar a entrada do nosso país neste importante bloco", afirmou o presidente em seu Twitter. "A agenda do Sul Global continua a se fortalecer", disse ainda.

Por sua vez, Dilma afirmou que "é uma grande alegria receber na sede do Banco o presidente da Argentina, que apresentou o pedido de adesão que deverá ser apreciado pelo Conselho de Administração".

Em agosto passado, após a cúpula na cidade de Johannesburgo, os governos dos cinco países integrantes dos Brics concordaram com a expansão da Argentina, Arábia Saudita, Egito, Irã, Emirados Árabes Unidos e Etiópia no grupo.

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaChinaDilma Rousseff

Mais de Economia

Brasil poderá ser exportador de SAF para África e América do Sul, diz ministro de Aeroportos

Petrobras faz acordo com União e impacto no lucro será de R$ 11 bilhões

Senado deve votar marco regulatório do hidrogênio verde nesta terça-feira

Governo e Senado acertam ajustes do PL para substituir MP do PIS/Cofins

Mais na Exame