Economia

Minha Casa Minha Vida começa a fazer contratações de novos projetos

Segundo o ministro das Cidades, Jader Filho, neste primeiro momento, só serão aceitos projetos contratados com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial

Minha Casa Minha Vida: portarias serão publicadas nesta sexta no "Diário Oficial da União" (Caixa Notícias/Divulgação)

Minha Casa Minha Vida: portarias serão publicadas nesta sexta no "Diário Oficial da União" (Caixa Notícias/Divulgação)

Agência Brasil
Agência Brasil

Agência de notícias

Publicado em 16 de junho de 2023 às 15h23.

Última atualização em 16 de junho de 2023 às 16h39.

O programa Minha Casa Minha Vida começa a fazer contratações para novos projetos de unidades habitacionais a partir desta sexta-feira, 16. O anúncio foi feito pelo ministro das Cidades, Jader Filho, em evento na cidade do Rio de Janeiro.

Segundo o ministro, as primeiras portarias do programa foram assinadas na quinta-feira, 15, e serão publicadas na tarde desta sexta, no Diário Oficial da União. “Com isso, os prefeitos, os empresários já podem começar a cadastrar seus projetos para que a gente possa começar a fazer as novas contratações do Minha Casa Minha Vida”, disse.

Jader Filho explicou que, neste primeiro momento, só serão aceitos projetos contratados com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR).

Zona rural

“Na semana que vem, a gente assina o do rural [destinado a famílias da zona rural] e, logo posterior a isso, o das entidades [voltada para famílias organizadas de forma associativa]. Acredito que, até o final da semana que vem, todas as portarias estarão assinadas”.

O ministro explicou ainda que, das quase 83 mil unidades que estavam paralisadas quando o atual governo assumiu, no início do ano, 15 mil já foram retomadas. A previsão é retomar outras 25 mil até o fim do ano.

Acompanhe tudo sobre:Minha Casa Minha VidaGoverno Lula

Mais de Economia

Temporada de resultados nos EUA: o que explica o otimismo do mercado?

Boletim Focus: mercado eleva projeções do IPCA para 2024, 2025 e 2026

Cigarro pode ser taxado em 250% e cerveja em 46%, estima banco

Cade analisa se parceria entre Gol e Azul precisa ser submetida ao órgão

Mais na Exame