Economia

México anuncia "tratamento especial" para Brasil em acordo de aço e alumínio com EUA

Medidas visam proteger a cadeia de suprimentos na região, com um aumento nas tarifas para impedir que países como a China introduzam esses materiais no território americano

EFE
EFE

Agência de Notícias

Publicado em 11 de julho de 2024 às 14h02.

Tudo sobreEstados Unidos (EUA)
Saiba mais

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, anunciou nesta quinta-feira que o Brasil terá um "tratamento especial" no acordo com os Estados Unidos para proteger a cadeia de fornecimento de aço e alumínio na América do Norte.

"No caso do México, devido a uma situação muito especial, precisamos de aço e alumínio do Brasil e temos uma relação muito boa com o país", explicou Lopez Obrador em sua entrevista coletiva diária, razão pela qual ficou acertado um "tratamento especial no caso do aço do Brasil para o México".

Nesta quarta-feira, EUA e México acertaram uma série de medidas para proteger a cadeia de suprimentos na região, com um aumento nas tarifas para impedir que países como a China introduzam esses materiais no território americano.

Os dois países concordaram com novos requisitos para garantir e proteger "que o aço proveniente do México receba benefícios de isenção de impostos somente se for fundido e moldado em México, EUA e Canadá".

Se não forem provenientes do México, os produtos sofrerão taxação de 25%, informou a assessoria de imprensa da Casa Branca.

Da mesma forma, as importações de alumínio do México que contenham "alumínio primário fundido e moldado em China, Belarus, Irã e Rússia" receberão uma tarifa de 10%.

Obrador acrescentou que essa diferenciação também abrangerá "aço e alumínio que possam ter componentes originários" do Brasil, e assegurou que esse acordo foi proposto pelo México.

Estas políticas ocorrem dois meses depois de o governo mexicano revogar as tarifas de entre 20% e 35% que havia decretado no final de abril sobre o alumínio estrangeiro devido à falta de produção doméstica.

A controvérsia sobre o aço e o alumínio começou em fevereiro, quando os EUA advertiram que poderiam voltar a impor tarifas sobre estes metais provenientes do México, acusando as empresas asiáticas, em particular da China, de usar o país para triangular suas exportações para os EUA.

Para o atual presidente mexicano, que em 1º de outubro deixará o Palácio Nacional nas mãos da recém eleita Claudia Sheinbaum, as medidas pactuadas devem ser observadas com foco em médio e longo prazo, "para que os investimentos sejam feitos no México".

Ele reiterou seu compromisso de "continuar fortalecendo" o comércio da América do Norte e, embora "não seja mais a sua vez", espera que "toda a economia da região esteja integrada".

Acompanhe tudo sobre:acoMéxicoEstados Unidos (EUA)

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Mais na Exame