Acompanhe:

Inflação dos EUA sobe 0,1% em novembro e fica abaixo do esperado

O CPI, principal índice inflacionário dos EUA, chegou a 7,1% no acumulado. Valores vieram abaixo das expectativas do mercado e confirmam inflação desacelerando

Modo escuro

Continua após a publicidade
Inflação nos EUA: CPI ficou praticamente estável em novembro (Chip Somodevilla/Getty Images)

Inflação nos EUA: CPI ficou praticamente estável em novembro (Chip Somodevilla/Getty Images)

C
Carolina Riveira

Publicado em 13 de dezembro de 2022 às, 10h40.

Última atualização em 13 de dezembro de 2022 às, 10h49.

A inflação dos EUA subiu menos do que o esperado em novembro, segundo divulgado pelo governo americano nesta terça-feira, 13. O Consumer Price Index (CPI), principal índice inflacionário do país, subiu 0,1% em novembro.

O acumulado em 12 meses chegou a 7,1%.

O número veio abaixo das expectativas do mercado. O consenso coletado pelo Dow Jones girava em torno de alta de 0,3% no mês e 7,3% no acumulado.

Em setembro e outubro, o CPI havia subido 0,4% e já iniciava alguma desaceleração, após altas mensais que superaram 1% no primeiro semestre.

A inflação americana foi duramente afetada pelas altas nos preços dos combustíveis após o início da guerra na Ucrânia, além do choque de oferta nas cadeias globais desde a pandemia da covid-19.

Inflação desacelerando nos EUA

O resultado pode dar indicativo aos mercados de que a inflação americana, após atingir seus maiores patamares em 40 anos, começa de vez a desacelerar.

O CPI de novembro vem um dia antes de o Fed, banco central americano, anunciar nesta quarta-feira, 14, nova decisão para a taxa de juros, que vem tendo altas recorrentes como tentativa de controlar a inflação.

A taxa de juros americana, que estava praticamente zerada há um ano, está hoje entre 3,75% e 4%. Antes da divulgação do CPI, a projeção era de alta de 0,5 ponto percentual do Fed na quarta-feira.

O mundo tem prestado atenção aos índices de inflação e juros nos EUA em meio ao risco de recessão global. Uma inflação desacelerando nos EUA pode trazer otimismo aos mercados e garantir que o Fed possa concretizar um chamado "pouso suave", com altas menos bruscas dos juros.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Brasil e outros 121 países fecham acordo para aumentar investimentos estrangeiros
Economia

Brasil e outros 121 países fecham acordo para aumentar investimentos estrangeiros

Há 12 horas

Ministros de Finanças do G20 se reúnem em São Paulo nesta semana
Economia

Ministros de Finanças do G20 se reúnem em São Paulo nesta semana

Há 14 horas

Aumenta a confiança da indústria, diz pesquisa da FGV
Economia

Aumenta a confiança da indústria, diz pesquisa da FGV

Há um dia

IFI reduz estimativa para dívida bruta em 2024, de 78,8% para 77 7% do PIB
Economia

IFI reduz estimativa para dívida bruta em 2024, de 78,8% para 77 7% do PIB

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais