Economia

Indústria de carros alemã é abalada por fraude em prêmio

Clube ADAC disse nesta segunda-feira que as revelações de que teria falsificado resultados de seu prêmio anual atingiram o cerne de sua credibilidade


	Volkswagen Golf: prêmio "Anjo Amarelo", dado pela entidade ao carro favorito da Alemanha, foi vencido na semana passada pelo modelo Golf, da Volkswagen
 (Marco de Bari)

Volkswagen Golf: prêmio "Anjo Amarelo", dado pela entidade ao carro favorito da Alemanha, foi vencido na semana passada pelo modelo Golf, da Volkswagen (Marco de Bari)

DR

Da Redação

Publicado em 20 de janeiro de 2014 às 14h07.

Berlim/Frankfurt - O clube alemão de automóveis ADAC, o maior e mais influente da Europa, disse nesta segunda-feira que as revelações de que teria falsificado resultados de seu prêmio anual atingiram o cerne de sua credibilidade, e os críticos levantaram questões sobre seus testes de segurança de carros.

A Volkswagen disse que estava pensando em devolver o prêmio.

O diretor de comunicações da ADAC, Michael Ramstetter, renunciou depois de admitir que havia manipulado os resultados do cobiçado prêmio "Anjo Amarelo", dado pela entidade ao carro favorito da Alemanha, que foi vencido na semana passada pelo modelo Golf, da Volkswagen.

A ADAC tem mais de 18 milhões de membros. Seu prêmio "Anjo Amarelo" pode dar um impulso às vendas em um mercado interno competitivo.

A ADAC admitiu que Ramstetter, editor da popular revista "ADAC Motorwelt", que se autodenomina a maior publicação mensal da Europa com 18 milhões de leitores, havia inflado os resultados das votações dizendo que 34.299 motoristas tinham votado no Golf como o carro favorito da Alemanha, quando apenas 3.409 votos foram feitos.

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaAutoindústriaCarrosEmpresasEmpresas alemãsEuropaMontadorasPaíses ricosVeículosVolkswagenVW Golf

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame