Acompanhe:

Inadimplência das empresas cresce 1,5% no 1º trimestre

Segundo o indicador, a alta de fevereiro para março é decorrente do aumento da quantidade de cheques devolvidos pela falta de fundos

Modo escuro

Continua após a publicidade
 As dívidas com bancos tiveram crescimento de 11,8%  (Darren Shaw/Stock.Xchng)

As dívidas com bancos tiveram crescimento de 11,8% (Darren Shaw/Stock.Xchng)

F
Flávia Albuquerque

Publicado em 28 de abril de 2011 às, 11h29.

São Paulo – O total de dívidas vencidas e não pagas pelas empresas teve uma elevação de 1,5% no primeiro trimestre de 2011, na comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas. Em março, no entanto, houve queda de 0,6% ante o mesmo mês de 2010. Com relação a fevereiro a inadimplência das empresas cresceu 16,3%.

De acordo com a Serasa, a alta registrada na passagem de fevereiro para março é decorrente do aumento da quantidade de cheques devolvidos pela falta de fundos (27,8%). As dívidas com bancos tiveram crescimento de 11,8% e os títulos protestados apresentaram elevação de 9,1% ante fevereiro.

De janeiro a março, o valor médio das dívidas com bancos foi de R$ 5.129,52, uma alta de 6,8% ante o mesmo período de 2010. Os títulos protestados tiveram um valor médio de R$ 1.687,86, com elevação de 8,4% sobre primeiro trimestre do ano passado. Os cheques sem fundos tiveram um valor médio de R$ 2.029,13, um crescimento de 2,7% na comparação com igual período de 2010.

Segundo os dados, a alta do trimestre está relacionada principalmente ao crescimento de 1,7% da inadimplência das micro e pequenas empresas. As médias registraram recuo de 3% e as grandes, de 1,7%.

Na comparação com o mês anterior, as dívidas não pagas pelas micro e pequenas empresas cresceram 16,5% em relação a fevereiro. Os estabelecimentos desse porte foram os que apresentaram a maior elevação. A inadimplência das médias empresas cresceu 11,3%. No caso das grandes, a alta foi de 16%, na relação mensal.

De acordo com os economistas da Serasa Experian, o ciclo de elevação dos juros, a valorização do real, a lenta recuperação global e a inflação crescente estão mudando a estrutura de custos e a capacidade de pagamento das empresas. “Por outro lado, a atividade econômica ainda aquecida tem atenuado esses fatores, via expansão do consumo privado e seus reflexos positivos sobre a geração de caixa das empresas. Esse equilíbrio de forças levou a inadimplência das empresas a apresentar essa ligeira elevação de 1,5% no primeiro trimestre deste ano”, destaca o comunicado da empresa de consultoria.

Últimas Notícias

Ver mais
Tem dívidas? Mutirão que dá desconto em taxa de juros e aumenta prazo de pagamento termina hoje
seloMinhas Finanças

Tem dívidas? Mutirão que dá desconto em taxa de juros e aumenta prazo de pagamento termina hoje

Há um dia

CVC Capital Partners quer captar US$ 1,33 bilhão em IPO – se o Oriente Médio deixar
Exame IN

CVC Capital Partners quer captar US$ 1,33 bilhão em IPO – se o Oriente Médio deixar

Há um dia

Além de óculos e relógios: Chilli Beans abre o leque e aposta em bebidas e caixas de som
Casual

Além de óculos e relógios: Chilli Beans abre o leque e aposta em bebidas e caixas de som

Há 2 dias

Boa Safra lança oferta de até R$ 400 milhões para financiar crescimento
Exame IN

Boa Safra lança oferta de até R$ 400 milhões para financiar crescimento

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais