Economia

Governo anuncia R$ 10,5 bi para comprar mais de 2 mil ônibus elétricos dentro do Novo PAC

Montante destinado à renovação de frota no país é o maior nessa leva de anúncios do programa

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/ Flickr/Divulgação)

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/ Flickr/Divulgação)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 8 de maio de 2024 às 17h03.

O governo federal anunciou nesta quarta-feira a aquisição de mais de 2 mil ônibus elétricos para descarbonizar a mobilidade em cidades brasileiras, além de automóveis do modelo Euro 6, mais sustentável, em nova seleção do PAC.

Ao todo, serão investidos R$ 10,5 bilhões na renovação de frota, o maior valor nessa leva de anúncios.

Ao todo, o governo vai investir R$ 18,3 bilhões nas áreas: Abastecimento de Água – Rural; Periferia Viva - Urbanização de Favelas; Prevenção a Desastres Naturais: Contenção de Encostas; Regularização Fundiária; e Renovação de Frota.

O governo vai investir em 2.529 ônibus elétricos, 2.782 Euro 6 e 39 veículos sob trilhos para renovar a frota e equipamentos do transporte urbano brasileiro. O objetivo é reduzir as emissões de CO2.

  • Abastecimento de Água: R$ 400 milhões para 247 cidades
  • Periferia Viva - Urbanização de Favelas: R$ 5,2 bilhões para 48 cidades
  • Prevenção a Desastres Naturais: Contenção de Encostas: R$ 1,7 bilhão para 91 cidades
  • Regularização Fundiária: R$ 313 milhões para 196 cidades
  • Renovação de Frota: R$ 10,5 bilhões para 98 cidades
Acompanhe tudo sobre:PAC – Programa de Aceleração do CrescimentoGoverno LulaSustentabilidadeÔnibusCarros elétricos

Mais de Economia

CPI: inflação nos EUA fica estável em 0,3% em maio; taxa anual é de 3,3%

TCU decide hoje sobre contas do primeiro ano do terceiro mandato de Lula e deve aprovar com ressalva

O que muda com a taxação de compras em sites como Shein e AliExpress aprovada na Câmara

Haddad diz que Fazenda não tem plano 'B' para compensar desoneração; Senado assumiu responsabilidade

Mais na Exame