Economia

Governo anuncia 2 parcelas do salário mínimo para trabalhadores no Rio Grande do Sul

Decisão foi divulgada após Lula visitar bairro onde 650 moradias foram destruídas

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 6 de junho de 2024 às 17h37.

Última atualização em 6 de junho de 2024 às 22h27.

Tudo sobreEnchentes no RS
Saiba mais

Nesta quinta-feira, 6, o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho (PT-SP), anunciou que o governo federal editará uma medida provisória (MP) para ajudar os trabalhadores formais do Rio Grande do Sul que estão sem receber remuneração devido à paralisação das empresas gaúchas. A iniciativa da União é uma resposta às graves consequências do desastre climático do estado.

O anúncio foi feito em uma coletiva de imprensa, após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitar o bairro Passo de Estrela, na cidade de Cruzeiro do Sul, onde 650 moradias foram destruídas.

Marinho explicou que o governo oferecerá duas parcelas de salário mínimo a todos os funcionários de empresas gaúchas que aderirem ao programa. Em troca, as empresas que participarem deverão garantir a manutenção dos empregos desses trabalhadores.

De acordo com o ministro, a MP beneficiará todas as companhias localizadas nas zonas afetadas pelas chuvas e enchentes.

O Ministério do Trabalho estima que mais de 434 mil trabalhadores serão beneficiados, incluindo 326 mil funcionários regidos pela CLT, 40 mil trabalhadores domésticos, 35 mil estagiários e 27 mil pescadores.

"[As parcelas de salário mínimo] vão ser para os municípios em calamidade, mas também para aqueles atingidos pela mancha de inundação. Pedimos que empresários façam esforço para colaborarem com a manutenção dos empregos. Ao aderir, empresas se comprometem com a manutenção desses empregos", disse Marinho.

Segundo o governo federal, os pagamentos serão feitos em julho e agosto e a expectativa é que aproximadamente 434 mil trabalhadores formais recebam R$ 1.412,00, por mês.

Negociações entre Leite e Lula

A ação federal de apoio aos trabalhadores vinha sendo discutida entre o presidente Lula e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

Nesta semana, Leite aumentou a pressão sobre o governo federal, solicitando a criação de um programa para pagar parte dos salários das pessoas que estão sem trabalhar devido às enchentes. Na terça-feira, 4, ele chegou a viajar para Brasília (DF) para pedir uma audiência com Lula para tratar das medidas de recuperação do estado.

Acompanhe tudo sobre:Enchentes no RSLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Economia

Haddad diz que terá reunião com Pacheco nesta semana para discutir dívida dos estados

Senado aprova novas regras paras os seguros, e texto segue para a Câmara

RS e BNDES negociam parceria estratégica sobre desastres ambientais

Marco dos seguros avança no Senado e segue para o plenário da Casa

Mais na Exame