Economia

FGTS: Bolsonaro confirma saques de contas ativas; anúncio será esta semana

Presidente afirmou que medida representa injeção na economia e ressaltou que atividade econômica já começa a dar sinais de recuperação

Presidente da República Jair Bolsonaro durante cúpula do Mercosul na Argentina (Alan Santos/PR/Flickr)

Presidente da República Jair Bolsonaro durante cúpula do Mercosul na Argentina (Alan Santos/PR/Flickr)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 17 de julho de 2019 às 17h03.

Última atualização em 17 de julho de 2019 às 17h48.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, 17, que o anúncio para liberação do FGTS e do PIS/Pasep deve ocorrer esta semana. Ele frisou que isso representaria "uma pequena injeção na economia" e ressaltou que a atividade já começa a dar sinais de recuperação, "pelos sinais positivos (no geral) e em especial também pelos sinais que estão vindo do Parlamento".

Bolsonaro afirmou ainda que o governo quer fazer uma reforma dos tributos federais e que deseja que a tabela de Imposto de Renda esteja, no máximo, em 25%. "E nós queremos ano a ano diminuir a nossa carga tributária", apontou.

A expectativa do governo é que a medida injete até R$ 42 bilhões na economia.

O plano é uma tentativa de reanimar a economia, via consumo, ainda este ano. A projeção oficial do governo é de crescimento do PIB de 0,81%. Com a liberação dos recursos do FGTS, haverá também mais uma rodada de saques do PIS/Pasep.

Segundo fontes a par do assunto, que participaram na última terça-feira, 16, de reunião no Ministério da Economia, uma das ideias é autorizar os saques na seguinte proporção: quem tem até R$ 5 mil no fundo poderia sacar 35% do saldo e trabalhadores com até R$ 10 mil, 30% do saldo Ainda se discutia qual parcela terá direito quem tem entre R$ 10 mil e R$ 50 mil no FGTS.

Acima de R$ 50 mil, o trabalhador só poderia sacar 10% do saldo total.

Há quem defenda o anúncio da medida para comemorar os 200 dias do governo Jair Bolsonaro, na quinta-feira. Por isso, a equipe econômica pediu agilidade à Caixa para viabilizar a proposta.

Outras fontes da área econômica, porém, afirmam que o modelo não está "maduro", o que poderia atrasar o anúncio.

Como a votação da reforma da Previdência no segundo turno na Câmara ficou para o início de agosto e a do Senado só deve se encerrar em setembro, as medidas devem sair antes da conclusão do término da Previdência.

Integrantes da equipe econômica avaliam que é preciso anunciar um "pacotão de medidas" para mostrar que o governo estava trabalhando, mas priorizando a proposta que modifica as regras previdenciárias.

O calendário de liberação seguiria a data do aniversário, assim como foi feito nas contas inativas (de contratos já encerrados). Os trabalhadores que já fizeram aniversário este ano já teriam direito ao benefício assim que for autorizado.

Acompanhe tudo sobre:economia-brasileiraFGTSJair BolsonaroPIS/Pasep

Mais de Economia

PEC promove "privatização" do BC e pode ter custo fiscal ao país, dizem especialistas

Alckmin destaca compromisso do governo com o arcabouço fiscal

Haddad diz que Brasil é uma “encrenca”, mas que tem potencial de ser “grande”

Brasil está pronto para acordo Mercosul e União Europeia, diz Lula

Mais na Exame