"Fênix celta", Irlanda foi a surpresa de 2014 na Europa

Um dos países europeus que mais sofreram com a crise está voltando com tudo: só a expectativa de crescimento para o país já dobrou no espaço de poucos meses

São Paulo - Esqueça Itália, França ou mesmo a Grécia pós-depressão: hoje, na Europa, ninguém cresce mais do que a Irlanda.

De acordo com os últimos números da Comissão Europeia, o PIB do país deve crescer 4,6% em 2014 e 3,6% em 2015, mais que o dobro do previsto até poucos meses atrás. A título de comparação, a Alemanha deve registrar 1,1%.

A Irlanda é muito dependente de exportações e está recebendo um empurrão da recuperação sólida dos seus maiores parceiros comerciais: Reino Unido e Estados Unidos.

Os sinais estão por toda parte: a confiança do consumidor irlandês atingiu o maior nível dos últimos 7 anos e o desemprego, ainda que alto (10,7%), está cedendo de forma consistente.

Após anos de queda, as casas em Dublin valorizaram em média 24% nos 12 meses até outubro - taxa maior até do que a de Londres, maior símbolo mundial do frenesi imobiliário.

Crise e pós-crise

O retorno deste setor é notável justamente porque a narrativa da crise irlandesa foi muito parecida com a americana. A prosperidade dos anos 90 rendeu ao país o apelido de "tigre celta", mas a euforia acabaria levando a uma bolha imobiliária associada com forte alavancagem dos bancos.

No caso irlandês, havia os agravantes de que o país usa o euro e dependia demais do imposto sobre propriedade. Quando ele começou a declinar, a receita do governo foi embora junto e em 2010, o país acabou tendo de ser resgatado pelo trio FMI, Banco Central Europeu e Comissão Europeia.

As condições foram duras - cortes de despesas, aumentos de impostos e reformas - mas o país conseguiu emergir e no final de 2013, se tornou o primeiro europeu a deixar o pacote (e suas condições) e voltar para os mercados internacionais.

Os dois maiores bancos do país salvos pelo resgate já estão registrando seus primeiros lucros desde 2008. Há uma semana, a Standard & Poor's elevou a nota de crédito da Irlanda de A- para A, com perspectiva estável. 

Não há espaço para descuido em um país que ainda tem dívida pública acima de 120% do PIB, mas se a "fênix celta" já conseguiu emergir da fome, pobreza e violência ao longo da sua história, não seria uma crise financeira que iria acabar de vez com o seu voo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.