Economia

Em 2025 há chance de o resultado fiscal ser pior que o de 2024, diz economista da Asa

Para Jeferson Bittencourt, ex-secretário do Tesouro, o excesso de receitas extraordinárias é a causa do problema

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 16 de janeiro de 2024 às 17h53.

Última atualização em 16 de janeiro de 2024 às 18h16.

yt thumbnail

O resultado fiscal de 2025 deve ser pior que o de 2024. A afirmação foi feita por Jeferson Bittencourt, economista da Asa Investments e ex-secretário do Tesouro Nacional, durante entrevista à EXAME. Segundo ele, isso deve ocorrer porque há forte dependência de receitas extraordinárias para o governo zerar o déficit público até dezembro e isso não devem se repetir no próximo ano.

Nas contas de Bittencourt, o rombo nas contas públicas em 2024 corresponderá a 1,1% do produto interno bruto (PIB). Para 2025, o economista ainda não tem uma previsão fechada.

“Eu acho que em 2025 há uma chance, não desprezível, de o resultado fiscal se pior que o de 2024. Suponha que o mercado está completamente errado, eu estou completamente errado, o governo consiga toda a receita [extraordinária] que estimou no pacote, que eu estimo em R$ 203 bilhões, e entregue um déficit zerado em 2024. Em 2025, como o pacote é de [receitas] não recorrentes, o governo vai precisar arrumar outra concessão de ferrovias de R$ 35 bilhões, outro pacote de receitas do Carf de R$ 97 bilhões. Tem muita receita não recorrente na previsão [orçamentária de 2024]. Será necessário um esforço gigante. Se [o governo] conseguir tudo em 2024, a chance de conseguir alguma coisa de igual tamanho em 2025 é difícil”, disse.

A conta de receitas extraordinárias necessárias para zerar o déficit público totaliza R$ 203 bilhões, estima Bittencourt. Desse total, R$ 168,5 bilhões foram anunciados no pacote governamental e outros R$ 35 bilhões previstos no orçamento dependem de que contratos de concessões ferroviárias sejam renovados antecipamente. Entretanto, não está claro se as empresas detentoras dos ativos toparão pagar o valor projetado.

Aumento de despesas

Bittencourt também alertou que despesas não previstas no orçamento de 2024 pressionarão as contas públicas em 2025.

"Os precatórios extra-teto de 2024 foram pagos em 2023. E, em 2025, os precatórios serão pagos novamente. Além disso, a compensação pelas perdas [dos estados] com ICMS de 2024 foram antecipados e pagos em 203. Teremos despesas fora do teto voltando em 2025 e todo um pacote de receitas não recorrentes que você vai precisar arrumar alguma coisa para cobrir em 2025. Eu acho que a chance de 2025 ser pior que 2024 não é pequena", disse.

Confira abaixo a íntegra da entrevista

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:Déficit públicoMinistério da FazendaTesouro Nacional

Mais de Economia

EUA podem levar mais tempo do que outros países para voltar à meta de 2%, diz membro do Fed

'Indústria brasileira tem que levantar a cabeça e se defender', afirma Mercadante

Dolarização na Argentina: Milei apresenta como pretende transformar a economia do país

Governo está fazendo o dever de casa no Orçamento e persegue meta de inflação, diz Tebet

Mais na Exame