Economia

Economista da FGV diz que preço dos alimentos aliviou IPCA

Para André Braz, a estabilidade climática nos próximos meses abrirá espaço para recuo de preços de alguns produtos, ajudando a estabilizar o índice

Com mais clima ameno, produção de alimentos fica estabilizada e preço cai (.)

Com mais clima ameno, produção de alimentos fica estabilizada e preço cai (.)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de junho de 2010 às 15h18.

Brasília - A desaceleração do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em maio veio dentro das expectativas do mercado e um dos principais impulsionadores dessa queda foi o comportamento do preço dos alimentos, explica o economista André Braz, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). "O verão foi atípico, as temperaturas ficaram mais altas por mais tempo e o grupo da alimentação chamou a atenção por sofrer com a ação do clima nos primeiros meses do ano", analisa Braz.

Braz não aposta na elevação do IPCA nos próximos meses, mas acredita que a inflação deve continuar alta. "Ainda existe um grande ciclo inflacionário; não é porque a taxa recuou fortemente que tudo volta ao normal", alerta ele. 

O economista destacou o aumento do consumo como principal elemento a pressionar a inflação. "Esse ano, a demanda está muito aquecida. O brasileiro está consumindo mais", disse ele. Para Braz, o setor de serviços é o menos sensível a aumentos da taxa de juros. "Verificando os preços de salões de beleza e oficinas mecânicas, por exemplo, percebe-se que o preço é mais rígido diante do recuo. E ainda há espaço para aumentar".

Para Braz, nesta quarta-feira (9) o Comitê de Política Monetária do Banco Central deve repetir a elevação de 0,75 ponto percentual da última reunião, em abril. “A desaceleração do IPCA registrada em maio não influenciará nesta decisão”, diz. 

 fev/10mar/10abr/10mai/10ano*12 meses**
IPCA total0,780,520,570,433,095,22
Alimentação e bebidas0,961,551,450,285,486,77
Habitação0,310,320,080,781,774,98
Artigo de residência0,361,00-0,040,592,344,67
Vestuário-0,520,661,280,912,666,00
Transporte0,79-0,54-0,080,091,713,99
Saúde e cuidados pessoais0,230,270,840,742,464,62
Despesas pessoais0,400,770,660,753,406,28
Educação4,530,540,110,045,536,79
Comunicações0,030,08-0,03-0,010,070,82

* Acumulado no ano de 2010
** Acumulado em 12 meses

Fonte: LCA Consultores
Elaboração: EXAME.com

 

Acompanhe tudo sobre:AlimentosConsumoInflaçãoJurosPreçosTrigo

Mais de Economia

Por que é importante diversificar a carteira de investimentos?

Déficit em conta corrente soma US$ 2,516 bilhões em abril, afirma BC

Conselho da Petrobras aprova Magda Chambriard como presidente da companhia

Mais na Exame