Economia do Brasil não traz “boas surpresas”

Índice lançado pelo Itaú Unibanco mostrou que Colômbia também desaponta, enquanto México é “surpreendente”

São Paulo - Brasil e Colômbia tem entregado desilusões, enquanto o México tem sido uma fonte de boas surpresas, segundo o Itaú Unibanco. Isso é o que mostra o novo índice criado pela equipe de macroeconomia do banco, que compara as tendências nos índices econômicos de Brasil, México, Chile, Colômbia e Peru com as expectativas dos analistas desses mercados.  

O índice, chamado de “Itaú Surprise Index Latam” (algo como índice de surpresa), mostra que o período entre 2006 e 2008 entregou boas surpresas rotineiramente. “Também foi um período de rápido crescimento que os modelos, aparentemente, falharam em antecipar”, afirma o estudo, feito pela equipe de macroeconomia do banco.

O índice que agrega os dados dos cinco países (com peso maior para o de maior PIB, no caso, o Brasil) subiu até fevereiro, guiado por boas surpresas no México, segundo o estudo. O segundo trimestre foi um período de leituras negativas – as economias brasileira e colombiana entregaram grandes decepções, de acordo com o relatório. 

A economia brasileira desapontou as expectativas de março a junho, segundo o estudo. O PIB esteve abaixo das expectativas no primeiro e no segundo trimestres, segundo o relatório. No segundo trimestre, o PIB brasileiro cresceu 0,4% - o próprio Itaú Unibanco, dentre outras instituições financeiras, esperava um crescimento de 0,5%. 

O índice de surpresa de maio foi o mais baixo desde a crise de 2008 (a análise foi feita desde 2005).  Para julho, apenas 36% dos dados analisados no índice foram divulgados. Com base neles, o banco acredita que é possível detectar um cenário de melhora. O retorno seria melhor se não fossem os resultados de exportações e importações piores que o esperado, segundo o banco. Essa subida, se confirmada, poderia indicar o fim das seguidas revisões para baixo das expectativas de crescimento do PIB em 2012 dadas pelo Focus (atualmente em 1,64%).

O índice de surpresa da Colômbia registrou um recorde de baixa em maio. “Os analistas tem sido muito otimistas sobre a atividade na Colômbia desde novembro de 2011”, afirma o relatório. Em junho, boas surpresas na produção industrial e vendas no varejo levaram a um leve ganho, mas o índice segue abaixo de zero (Na comparação entre dados e expectativas, o resultado acima de zero é positivo). As expectativas de crescimento do PIB desse ano foram reduzidas de 5,0%, quatro meses atrás, para 4,4%. 

Enquanto as expectativas em relação ao PIB brasileiro e colombiano caem, no México a situação é inversa. A expectativa dos analistas para o crescimento do PIB passou de 3,3% em janeiro para 3,7%. Recentemente, o índice reclinou em decorrência da produção industrial e das vendas no varejo, mas segue acima de zero. O estudo destacou que a economia mexicana entregou boas surpresas por 12 meses seguidos.

Os dados foram construídos com base nos indicadores de atividade fornecidos pela pesquisa da Bloomberg e o peso de cada indicador depende de sua importância para a economia. 

Leia também Brasil ou México, quem vai crescer mais?

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também