Economia

Plataforma Desenrola Brasil: 32 milhões de pessoas podem renegociar dívidas, diz Haddad

Podem participar dessa fase do programa pessoas que ganham até dois dois salários mínimos ou que estejam inscritas no Cadastro Único

Ministro da Fazenda, Fernando Haddad (Eduardo Frazão/Exame)

Ministro da Fazenda, Fernando Haddad (Eduardo Frazão/Exame)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 9 de outubro de 2023 às 11h06.

Última atualização em 9 de outubro de 2023 às 13h35.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta segunda-feira, 9, que 32 milhões de pessoas podem acessar a plataforma de negociação do Desenrola, a partir das 12h, para renegociar as dívidas nesta segunda fase. Para ingressar no sistema é necessário ter cadastro ativo no Gov.br.

Segundo Haddad, 42% das pessoas habilitadas para fazer as renegociações possuem certificação ouro ou prata no Gov.br e já podem acessar a plataforma. Outros 44% têm certificação bronze e precisam elevar essa certificação — e 13% não possuem qualquer registro no sistema governamental.

Podem participar dessa fase do Desenrola pessoas que ganham até dois dois salários mínimos ou que estejam inscritas no Cadastro Único (CadÚnico) para programas sociais do governo federal, que têm dívidas em atraso, desde débitos bancários, até contas de luz, água, varejo e educação.

"Nosso objetivo com essa divulgação é fazer com que essas pessoas saibam como proceder para limpar o seu nome e voltar ao mercado de consumo e de crédito. Todas as plataformas, os credores, as empresas de proteção de crédito, todo mundo vai tentar entrar em contato com essas pessoas para que elas possam se valer do programa. Quanto mais divulgarmos os procedimentos, tão melhor será o resultado do programa", disse.

Haddad também declarou que com a renegociação de dívidas, a tendência é que o fim de ano dos brasileiros possa ser "um pouco mais folgado, com esse passivo resolvido".

Quando e quem pode renegociar as dívidas?

A população pode quitar seus débitos a partir desta segunda, como lançamento a plataforma de renegociação. Para ingressar no sistema, será preciso ter cadastro ativo no Gov.br.

Podem participar pessoas que ganham até dois dois salários mínimos ou que estejam inscritas no Cadastro Único (CadÚnico) para programas sociais do governo federal, que têm dívidas em atraso, desde débitos bancários, até contas de luz, água, varejo e educação.

Como se cadastrar no Gov.br?

Qualquer cidadão brasileiro ou estrangeiro com CPF pode fazer o cadastro dentro da plataforma Gov.br. Para criar a conta, é preciso baixar o aplicativo (App Store ou Google Play) e seguir os passos, começando pelo "criar conta".

Ao realizar o cadastro, o cidadão preenche um formulário simples e seus dados podem ser validados na Receita Federal ou no INSS. O cadastro também pode ser realizado em uma Agência do INSS ou nos postos do Senatran. Todavia, este formulário só permite o nível bronze e o Desenrola exige o nível prata ou ouro.

Como conseguir nível prata no Gov.br usando o aplicativo:

  • Passo 1: faça o cadastro cadastro dentro do aplicativo Gov.br (App Store ou Google Play)
  • Passo 2: para aumentar o nível, clique em "aumentar nível da conta"
  • Passo 3: faça o reconhecimento facial pelo app para conferência da sua foto nas bases da Carteira Nacional de Habilitação (CNH)
  • Passo 4: valide seus dados via internet banking de um banco credenciado

Como conseguir nível ouro no Gov.br:

  • Passo 1: acesse a sua conta no app Gov.Br (App Store ou Google Play)
  • Passo 2: clique em "Aumentar nível da conta"
  • Passo 3: faça o reconhecimento facial para a conferência da foto nas bases da Justiça Eleitoral
Acompanhe tudo sobre:DesenrolaFernando Haddad

Mais de Economia

Cade analisa se parceria entre Gol e Azul precisa ser submetida ao órgão

Eletrobras: trabalhadores poderão entrar em greve a partir de 3 de junho

'Esta semana fiquei nervoso porque vi o preço do arroz muito caro no supermercado', diz Lula

Dia da Indústria: setor busca modernização, com inovação e compromisso sustentável

Mais na Exame