Acompanhe:

Desemprego cairá no Brasil em 2019; novas vagas devem demorar, diz OIT

Índice brasileiro de desemprego é ainda mais de duas vezes superior à média mundial, de cerca de 5% em 2019

Modo escuro

Continua após a publicidade
OIT: taxas de desemprego no Brasil vão cair em 2019 e 2020 (Paulo Whitaker/Reuters)

OIT: taxas de desemprego no Brasil vão cair em 2019 e 2020 (Paulo Whitaker/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 13 de fevereiro de 2019 às, 11h09.

Última atualização em 13 de fevereiro de 2019 às, 11h19.

Genebra - As taxas de desemprego no Brasil vão cair em 2019 e 2020. Mas o avanço na criação de postos de trabalho será lento e o país corre o risco de ter de esperar "anos" até ver as taxas retornarem para níveis registrados antes da recessão. O índice brasileiro de desemprego é ainda mais de duas vezes superior à média mundial, de cerca de 5% em 2019.

A avaliação é da Organização Internacional do Trabalho (OIT) que, em seu informe anual, aponta para uma taxa de desemprego no Brasil de 12,5% ao final de 2018. Para 2019, o índice pode cair para 12,2% e, em 2020, essa taxa seria de 11,7%.

De acordo com a OIT, a queda na taxa de desemprego está ligada à recuperação da economia. Em 2018, a expansão foi de apenas 0,7%. Mas a perspectiva da entidade é de que o crescimento seja de 2,4% em 2019.

Em números absolutos, o total de brasileiros desempregados passará de 13,5 milhões de pessoas em 2017 para 13,3 milhões ao final de 2018. Para 2019, o total chegará a 13,1 milhões e, em 2020, o número serra de 12,7 milhões.

Apesar da queda, o departamento de pesquisa da OIT estima que um retorno a taxas de 7% de desemprego no Brasil não ocorrerá no curto prazo. O índice havia sido registrado antes de 2014.

Para que esse número tenha uma melhora mais rápida, um forte aumento de demanda teria de ser registrado na economia nacional. A OIT tampouco acredita que, de imediato, a reforma trabalhista possa dar um impulso e seus resultados teriam de ser aguardados para os próximos anos.

As taxas brasileiras, mesmo sofrendo uma queda, continuam entre as mais elevadas do G-20, o grupo que reúne as maiores economias do mundo. No México, o desemprego deve ser de 3,4% em 2019, contra 3,9% nos EUA e 6,1% no Canadá. No Japão, o índice será de 2,4% contra 3,7% na Coreia.

De acordo com a OIT, a Austrália deve fechar o ano com uma taxa de 5,3%, contra 4,4% na Indonésia, 3,2% na Alemanha, 3,8% no Reino Unido e 4,5% na Rússia. França, Itália e Turquia contam com taxas de desemprego que variam entre 9% e 11%. Mas, mesmo assim, abaixo da média brasileira dos últimos anos.

No geral, a OIT estima que 172 milhões de pessoas estavam desempregadas ao final de 2018, o equivalente a uma taxa de 5%. Essa é a primeira vez que, desde a eclosão da crise financeira em 2008, os níveis globais retornaram para o patamar de 5%. Para 2019 e 2020, a previsão é de que a taxa fique inalterada.

Últimas Notícias

Ver mais
McKinsey paga funcionários mal avaliados para procurarem emprego em outro lugar
seloCarreira

McKinsey paga funcionários mal avaliados para procurarem emprego em outro lugar

Há 5 dias

Haddad cita mudança de cenário e diz que busca ‘meta factível’ para contas públicas em 2025
Economia

Haddad cita mudança de cenário e diz que busca ‘meta factível’ para contas públicas em 2025

Há 6 dias

Concurso da Caixa: prazo para pagamento de inscrição termina nesta sexta-feira
seloCarreira

Concurso da Caixa: prazo para pagamento de inscrição termina nesta sexta-feira

Há uma semana

AGU: decisão sobre 'quebra' da coisa julgada vai reforçar caixa da União em R$ 6,23 bi
Economia

AGU: decisão sobre 'quebra' da coisa julgada vai reforçar caixa da União em R$ 6,23 bi

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais