Desembolsos do BNDES em julho sinalizam retomada da economia

No acumulado dos sete primeiros meses do ano, os empréstimos do BNDES ficaram em 67,9 bilhões de reais, queda de 2 % frente ao mesmo período do ano passado

Rio de Janeiro - Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em julho totalizaram 14,3 bilhões de reais, alta de 5,6 % sobre um ano antes, sinalizando retomada dos investimentos no país.

"A recuperação do crescimento (econômico) está em curso. Temos essa indicação... A demanda por financimento para bens de capital cresceu, o que indica aumento de investimento", disse a jornalistas nesta quinta-feira o presidente do banco de fomento, Luciano Coutinho.

No acumulado dos sete primeiros meses do ano, os empréstimos do BNDES ficaram em 67,9 bilhões de reais, queda de 2 % frente ao mesmo período do ano passado. No intervalo de 12 meses até julho, os desembolsos foram de 138,2 bilhões de reais, redução de 16 %.

Além dos desembolsos de julho, outros dados do BNDES que sinalizam para recuperação da economia são os de consultas e enquadramentos --fases anteriores à aprovação do empréstimo para as empresas.

De janeiro a julho, os enquadramentos subiram 22 % ante 2011 e somaram 129,6 bilhões de reais, e as consultas avançaram 34 %, para 138,7 bilhões de reais, na mesma base de comparação.

"Saímos do fundo do posso, a ligeira queda (em desembolsos no ano até julho) vai zerar ou virar positiva com o resultado de agosto", afirmou Coutinho.


Ele mencionou o comportamento dos setores de veículos, óleo e gás e infraestrutura no processo de retomada da economia neste semestre.

O BNDES mantém a previsão de fechar o ano com empréstimos perto de 150 bilhões de reais. Mas a estimativa de desembolso mensal daqui até o fim de 2012 é de 14 bilhões a 15 bilhões de reais --o que indicaria a liberação de, no máximo, 143 bilhões de reais de janeiro a dezembro pelo banco.

Óleo e Gás

Os empréstimos para a indústria de óleo e gás tendem a ganhar espaço nos próximos anos no Brasil, segundo o presidente do BNDES, e alterar a estrutura produtiva do país ainda muito ligada ao setor automotivo.

As liberações do banco de fomento para o segmento de óleo e gás devem mais que dobrar este ano, para cerca de 8 bilhões de reais, com expectativa de subirem mais em 2013.

Segundo Coutinho, uma parte dos recursos vai para a Petrobras, enquanto os fornecedores da estatal devem absorver 3,8 bilhões de reais do BNDES em 2012.

"Temos uma linha de crédito para a Petrobras de 9 bilhões de reais, mas ela só usou cerca de 3 bilhões de reais até agora, mas a cadeia toda de petróleo e gás não para de crescer. Se contar com a cadeia petroquímica, isso vai a 10 bilhões de reais de empréstimos este ano", afirmou o presidente do BNDES.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.