Acompanhe:

Custo de vida em São Paulo tem alta de 6,41% em 2012

De acordo com economista do Dieese responsável pela pesquisa, a elevação no ICV do ano passado se deve principalmente ao aumento de 9,98% nos preços dos alimentos

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Moedas: além da alimentação, tiveram altas significativas as despesas pessoais (14,06%).
 (Getty Images)

Moedas: além da alimentação, tiveram altas significativas as despesas pessoais (14,06%). (Getty Images)

F
Fernanda Cruz

Publicado em 8 de janeiro de 2013 às, 18h28.

São Paulo – O Índice do Custo de Vida (ICV) na capital paulista teve aumento de 6,41% no ano de 2012, uma alta de 0,32 ponto percentual na comparação com 2011, quando o índice apresentou ficou em 6,09%. Os dados foram divulgados hoje (8) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

De acordo com Cornélia Nogueira Porto, economista do Dieese responsável pela pesquisa, a elevação no ICV do ano passado se deve principalmente ao aumento de 9,98% nos preços dos alimentos.

A economista destacou a alta entre os alimentos considerados de primeira necessidade, tanto os in natura quanto os industrializados. “Por exemplo, podemos citar alguns produtos como a batata, que subiu 49,76%, a cebola [44,75%], o feijão [37,22%], a salsicha [26,91%] e o óleo [26,40%]”. Além desses itens, tiveram altas representativas o pêssego (50,99%), a linguiça defumada (37,07%), o arroz (35,33%), a cerveja (20,89%), os ovos (16,15%), o frango (15,15%) e o café em pó (15,06%).

A alimentação fora de casa apresentou alta de 10,86%, com destaque para os itens: sorvete (22,01%), água mineral (18,35%), pão com manteiga (17,73%), cerveja (15,81%) e cafezinho (15,05%).

Segundo a pesquisa, as famílias paulistanas com menor nível de rendimento foram as mais afetadas, sofrendo um aumento maior no custo de vida, de 6,98%. “Nessas famílias, grande parte dos gastos é com alimentação. Esses aumentos prejudicam mais elas [famílias de baixa renda] do que as demais famílias, que gastam mais com outros tipos de bens e serviços como transporte individual e serviços domésticos”, disse a economista.

Além da alimentação, tiveram altas significativas as despesas pessoais (14,06%) e educação e leitura (8,71%). Já saúde (6,82%) e habitação (5,96%) tiveram aumentos próximos ao do ICV. Taxas menores foram observadas em outros grupos, como despesas diversas (4,58%), recreação (1,78%), vestuário (0,41%), transporte (-0,24%) e equipamento doméstico (-2,31%).

Últimas Notícias

Ver mais
Nunes: Empresa acusada de ligação com PCC não administrará ônibus aquático de SP
Brasil

Nunes: Empresa acusada de ligação com PCC não administrará ônibus aquático de SP

Há 2 dias

Rodízio SP hoje, abril 2024: horários, finais de placa, regiões e valor da multa
Guia do Cidadão

Rodízio SP hoje, abril 2024: horários, finais de placa, regiões e valor da multa

Há 2 dias

Após derrota no Brasileirão, São Paulo demite técnico Thiago Carpini; veja quem assumirá o time
Esporte

Após derrota no Brasileirão, São Paulo demite técnico Thiago Carpini; veja quem assumirá o time

Há 3 dias

Justiça torna réus 19 alvos da Operação Fim da Linha em SP
Brasil

Justiça torna réus 19 alvos da Operação Fim da Linha em SP

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais