Coronavírus acentua competição global entre sistemas políticos rivais

Para historiador econômico da Universidade Princeton, pandemia poderá impor também retrocessos ao processo de globalização

São Paulo – O historiador econômico britânico Harold James, professor na Universidade Princeton, acredita que a fase mais aguda da crise do coronavírus tem apenas destacado uma competição entre sistemas políticos rivais.

Países ricos, como a Itália e os Estados Unidos, têm falhado na contenção da propagação do vírus. A China tem obtido bons resultados em função justamente do regime autoritário. Para ele, por ora, a Coreia do Sul é o país que tem mostrado a resposta mais efetiva no combate à pandemia.

James também alerta para os riscos de retrocesso na globalização, tema abordado na reportagem de capa da EXAME sobre o impacto global do coronavírus.  “Estamos vendo um recuo no processo de globalização e isso já vem de algum tempo. Com o surto, acredito que esse movimento se intensifique”, disse o historiador.

Leia, a seguir, trechos da entrevista exclusiva à EXAME.

O surto de coronavírus está alimentando uma reação contra a globalização? Quais são as possíveis consequências?

De fato, estamos vendo um recuo no processo de globalização, e isso já vem de algum tempo. É óbvio para todos que a propagação do vírus está ligada à mobilidade, e os esforços iniciais de contenção limitam a mobilidade, com proibições de viagens nos países e entre países. Com o surto, acredito que esse movimento antiglobalização se intensifique.

Mas os principais efeitos no longo prazo estão principalmente relacionados à psicologia política: a epidemia já gerou uma discussão sobre se pode ter sido causada pelos governos. Circulam rumores de que os chineses — ou, em outra versão, os americanos — estão usando a doença para enfraquecer ou destruir seus rivais.

Não acredito que exista base factual para nenhuma dessas reivindicações, mas, quanto mais o vírus se espalhar, mais estranhas interpretações também proliferarão.

Nos últimos dias, a situação piorou consideravelmente com o avanço do coronavírus na Europa, especialmente na Itália, e nos Estados Unidos. Agora que o coronavírus ganhou proporções verdadeiramente globais, como o senhor analisa o momento atual?

A fase mais aguda da crise destacou a extensão da competição entre sistemas políticos rivais. A China, com uma abordagem mais autoritária, pode lidar melhor com a pandemia? Portanto, a resposta mais emblemática para os regimes democráticos é a da Coreia do Sul.

Outros países, notadamente a Itália, mas também o Reino Unido e os Estados Unidos, têm visivelmente falhado na tentativa de fornecer simples testes, o que é cada vez mais evidente de que seria uma ferramenta importante para gerenciar a contenção e o isolamento.

A estratégia da China para conter o surto de coronavírus impôs forte controle sobre a sociedade, fechando cidades e colocando cidadãos em quarentena. O mundo vê a China agora como um poder organizado para enfrentar qualquer tipo de crise ou como o mesmo velho país comunista e autoritário?

As evidências dos últimos dias sugerem que a China teve bastante sucesso em conter o avanço da doença. Os extensos controles e o sistema de monitoramento da população (que cruza dados do histórico de saúde do cidadão e verifica se há infectados entre seus conhecidos) são notavelmente sofisticados e bem-sucedidos.

Se mesmo assim a China for seriamente atingida no longo prazo e se houver a percepção de que as autoridades não responderam adequadamente, não é irrealista prever desafios muito maiores para o regime e sua legitimidade. Mas até agora, pelo menos, os controles sociais da China parecem mais eficazes do que os sistemas de saúde bastante caóticos e visivelmente sobrecarregados de outros países.

Isso quase certamente levará muitos outros países a querer imitar a China — embora provavelmente não na Europa, onde há preocupações muito maiores com a privacidade. Mas espero que a crise produza um debate bastante amplo sobre a coleta (e o uso e a disseminação) de saúde e sobre outros dados pelos governos.

As contrações da atividade industrial na China estão sendo sentidas em todo o mundo, refletindo o papel crescente da China nas cadeias de suprimentos e commodities. A China pode perder a participação no comércio global devido à crise de saúde pública?

O efeito do vírus é perturbador, mas de curta duração. No entanto, muitos fabricantes terão consequências, com o temor de aumento da probabilidade de eventos semelhantes no futuro não querem depender de cadeias de suprimentos longas e distantes.

Os danos ao turismo podem ser de longo prazo — imagino que muitas pessoas não desejem correr o risco de ser confinadas obrigatoriamente em navios de cruzeiro de alto risco. Mas hotéis e companhias aéreas também podem sofrer um longo impacto, porque o vírus muda uma percepção de longo prazo do que é um risco aceitável.

Mesmo antes do coronavírus o presidente Donald Trump estava ordenando que empresas multinacionais abandonassem a China e produzissem seus produtos em fábricas americanas. Esse movimento aumentará e mais países adotarão a mesma iniciativa?

Sim, os argumentos para encurtar as cadeias de suprimentos já existiam antes de Trump — em parte, que também representa as possibilidades tecnológicas de processos de produção difusos. Eu realmente suponho que essa tendência continue e se intensifique.

Argumentos contra imigração e fronteiras abertas ganham força em um momento como este. O senhor espera que os políticos e partidos populistas deem mais ênfase a essa estratégia?

Eles certamente farão esse apelo. Até que ponto é politicamente atraente e bem-sucedido, isso dependerá de quão bem as autoridades serão julgadas como tendo gerenciado a crise.

Uma questão substancial é que em muitos países — incluindo os EUA, e também a maior parte do norte da Europa e do Oriente Médio — os serviços de saúde são altamente dependentes dos trabalhadores imigrantes. E a crise destacará como o trabalho em saúde é perigoso.

Como os governos devem agir para deter o surto de coronavírus?

Eles tentarão a contenção — fechando escolas, escritórios e outros lugares com aglomeração de pessoas — e esperam que isso atrase a propagação do vírus, enquanto se intensifica o trabalho para o desenvolvimento de testes de diagnóstico, tratamentos e vacinas. É uma corrida contra o tempo, mas talvez facilitada pela tecnologia, o que possibilita que muitas pessoas trabalhem e ensinem à distância.

A crise também deve dar um forte impulso à tendência existente de maior uso da telemedicina, e é claro que isso pode ocorre numa escala global: enviar fotos, conversar com profissionais de saúde, receber conselhos médicos e (possivelmente) ter prescrições escritas por alguém do outro lado do mundo. Isso não é um remédio para casos intensos, mas certamente se tornará a maneira predominante de lidar com as incidências menos graves.

Qual é o cenário para o Brasil, que é dependente de exportações de commodities e capital estrangeiro?

Todos os mercados emergentes serão seriamente atingidos por uma recessão global. Eles também serão seriamente afetados pelo aumento das moedas em direção a refúgios seguros, em particular o dólar, uma vez que os mutuários corporativos e governamentais precisam pagar os empréstimos em dólar.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.