Economia

Campos Neto reforça que ainda existe espaço para a política monetária agir

Mais cedo, o Banco Central reiterou, por meio da ata do último encontro do Copom, que eventual ajuste futuro na Selic será apenas "residual"

Roberto Campos Neto: "O BC não vai descansar enquanto não tiver certeza de que o crédito está fechando às empresas" (Amanda Perobelli/Reuters)

Roberto Campos Neto: "O BC não vai descansar enquanto não tiver certeza de que o crédito está fechando às empresas" (Amanda Perobelli/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 23 de junho de 2020 às 17h28.

Última atualização em 23 de junho de 2020 às 17h52.

Questionado nesta terça-feira, 23, sobre a possibilidade de aumentar a emissão de moeda para enfrentar a crise decorrente da pandemia de covid-19, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, respondeu que "ainda há espaço para a política monetária atuar."

Mais cedo, o Banco Central reiterou, por meio da ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom), que eventual ajuste futuro na Selic (a taxa básica de juro) será apenas "residual."

Na semana passada, o colegiado do BC reduziu a Selic pela oitava vez consecutiva, em 0,75 ponto percentual, de 3% para 2,25% ao ano.

Profissionais do mercado financeiro avaliaram, na ocasião, que a mensagem do BC deixava aberta a possibilidade de novo corte da Selic no encontro marcado para 4 e 5 de agosto. Porém, a mensagem do BC seria de que a taxa básica poderia recuar 0,25 ponto percentual — este seria o "corte residual."

Otimização do uso de capital dos bancos

O presidente do Banco Central disse ainda algumas medidas anunciadas hoje pela autoridade monetária, como a otimização do uso de capital dos bancos, terão impacto grande na disponibilização de recursos para as menores firmas.

Mais cedo, ele admitiu que parte das medidas já tomadas pelo BC não foim utilizada em todo o seu potencial, mas alegou que o mesmo também aconteceu com os bancos centrais de outros países. "O BC não vai descansar enquanto não tiver certeza de que o crédito está fechando às empresas", garantiu.

Acompanhe tudo sobre:Banco CentralRoberto Campos NetoSelic

Mais de Economia

País pode ter inflação maior que o esperado por causa da tragédia climática no RS, diz Campos Neto

Dívidas sobem 17%, e governo terá de pagar R$ 70,7 bilhões em precatórios em 2025

Caixa destinará R$ 30 mi para recuperação de casas atingidas por enchentes no RS

Por que é importante diversificar a carteira de investimentos?

Mais na Exame