Câmara aprova MP que abre caminho para privatização da Eletrobras

Deputados ainda votam sugestões de mudanças; texto-base foi aprovado por 258 deputados, com 136 votos contrários

Após 3 horas de discussão no plenário, a Câmara aprovou nesta segunda-feira, 21, o texto-base da medida provisória (MP) que abre caminho para a privatização da Eletrobras. Foram 258 votos a favor, 136 contra e cinco abstenções. Se não fosse votada até terça-feira, 22, a proposta perderia a validade. 

  • A pandemia mostrou que a inovação será cada dia mais decisiva para seu negócio. Encurte caminhos, e vá direto ao ponto com o curso Inovação na Prática 

Os deputados agora votam destaques, que são sugestões de mudanças ao texto-base aprovado. A MP já havia passado pela Câmara, mas precisou voltar à Casa para que os deputados deem aval a mudanças feitas posteriormente no Senado. Em seguida, o texto vai para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

A aprovação é considerada uma vitória para o Planalto, apesar das dificuldades durante a tramitação. O governo espera arrecadar 60 bilhões de reais com a privatização da Eletrobras. A ideia é capitalizar a empresa pela venda de ações ordinárias na bolsa de valores, de forma a diluir a participação da União, que deixará de ser acionista majoritária. 

A União terá a chamada "golden share", ação especial que garante poder de veto em decisões da assembleia de acionistas. Com isso, poderá evitar que algum acionista ou grupo detenha mais de 10% das ações com direito a voto, o que fica proibido pela MP. “Dessa forma, evita-se que grupos empresariais ou investidores assumam o controle absoluto da Eletrobras”, diz o parecer.

A Câmara manteve a maioria das propostas do relator no Senado, Marcos Rogério (DEM-RO), apresentadas na semana passada. O relator na Câmara, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), não retirou os "jabutis" — itens que não têm relação direta com a privatização da Eletrobras — que podem aumentar o custo da energia aos consumidores.

O texto continua obrigando, por exemplo, a contratação de térmicas movidas a gás natural. Os leilões, entretanto, poderão ser feitos depois da privatização, não antes, como previa versão anterior da MP.  As usinas deverão entrar em operação entre 2026 e 2030.

Pelo texto aprovado, precisarão ser contratados 8.000 megawatts (MW) para geração de energia por 15 anos. Serão 1.000 MW para o Nordeste, 2.500 MW para o Norte, 2.500 MW para o Centro-Oeste e 2.000 MW para o Sudeste, região incluída pelo Senado.

Defensores dessa medida alegam que ela é benéfica para a economia das regiões. Muitos parlamentares, no entanto, criticam a proposta, pelo alto custo previsto. Boa parte das usinas será instalada em locais sem suprimento de gás. Ou seja, será preciso investir na construção de gasodutos, e os custos podem ser repassados para o consumidor.

O texto aprovado determina que o Poder Executivo contrate empregados da Eletrobras demitidos sem justa causa nos 12 meses seguintes à desestatização em empresas públicas federais, para cargos de mesma natureza e com salários equivalente aos recebidos anteriormente. 

Mudanças

O relator da MP na Câmara, deputado Elmar Nascimento, manteve a “espinha dorsal” do texto, mas retirou itens pontuais incluídos no Senado, como a emenda que previa indenização ao estado do Piauí pela privatização da Cepisa, distribuidora de energia controlada pela Eletrobras. O custo seria de 260,4 milhões de reais.

A mudança foi feita a pedido do Planalto, afirmou Nascimento, em entrevista coletiva antes da votação no plenário. "O governo não reconhece essa dívida, disse que isso está sendo discutido na Justiça ainda, e o governo pediu que retirasse", disse.

Segundo o relator, manter essa emenda poderia abrir margem para que outros estados também pedissem compensações pela privatização de concessionárias, o que poderia custar mais de 3 bilhões de reais. "Essa situação não impacta apenas a empresa do Piauí. Ela teria, inclusive, impacto em empresas de outros estados, me parece que o Acre e outros", disse.

Nascimento também retirou o trecho que acelerava a abertura do mercado livre de energia. O texto anterior permitia que, a partir de julho de 2026, todos consumidores pudessem optar por comprar energia elétrica de qualquer concessionário, permissionário ou autorizadas de energia elétrica do sistema nacional. 

Hoje, essa escolha é possível para grandes consumidores — que consomem 3.000 kW. Os residenciais, chamados de cativos, são atendidos pelas distribuidoras. A sugestão de mudança, incluída pelos senadores e retirada na Câmara, tinha o apoio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

O assunto deve ser retomado no projeto de lei do marco do setor elétrico, disse o relator da MP no Senado, senador Marcos Rogério, em entrevista coletiva antes da votação da MP no plenário. A Câmara deve instalar uma comissão e definir o relator para tratar do assunto, previsto no Projeto de Lei Complementar (PLP) nº 414/2021, nos próximos dias.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também