Economia

Bolsonaro 'me dá medo' e Brasil 'merece melhor', diz vencedor do Nobel

Robert Shiller brincou que até Viktor Orban, presidente da Hungria, e Donald Trump, dos EUA, parecem moderados e razoáveis em discursos

Robert Shiller, vencedor do prêmio Nobel de economia (Mikhail Tereshchenko/Getty Images)

Robert Shiller, vencedor do prêmio Nobel de economia (Mikhail Tereshchenko/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 22 de janeiro de 2019 às 16h24.

Última atualização em 22 de janeiro de 2019 às 16h55.

Davos - Uma mistura de medo, interesse e certa satisfação.

Foi assim que empresários, economistas e a elite da finança internacional receberam, no Fórum Econômico Mundial, em Davos o discurso do presidente de Jair Bolsonaro - que, em menos de dez minutos, tentou convencer o mundo de que o Brasil "mudou".

"O Brasil é um grande país. Merece alguém melhor", disse o americano Robert Shiller, prêmio Nobel de Economia. "Ele me dá medo", insistiu.

O americano lembrou que também ouviu um discurso moderado por parte de Donald Trump, presidente dos EUA. "Vi Viktor Orban (presidente da Hungria) em um discurso e ele também parecia moderado e razoável", apontou.

Após tecer vários comentários surpreendentes a respeito de lideranças mais à direita no mundo, incluindo Bolsonaro, ainda rindo disse: "Eu tenho que parar de falar. Não posso falar sobre o Brasil de novo".

Um banqueiro alemão, que não quis ser identificado, reclamou da falta de informações. "Ele deu manchetes. Mas nós queremos detalhes", insistiu. "Talvez não haveria como pedir mais dele", ironizou.

O presidente da Iberdrola, José Ignacio Galán, acredita que o discurso serviu para deixar claro "o que o governo pensa". "Sinto pelos jornalistas, que não têm muitas manchetes", disse. "Ele deu uma visão bastante técnica. Também falou de como quer as contas do país estabilizadas e, acima de tudo, que quer transformar o Brasil numa das 50 melhores lugares para se fazer negócios. Isso é fundamental para atrair parceiros", afirmou.

Ricardo Marino, chairman do Itaú na América Latina, acredita que o discurso serviu para "educar" aqueles que não conhecem o Brasil.

"Obviamente que o investidor quer saber de mais detalhes. Mas para quem não está educado sobre o Brasil, ele vê que novo ciclo chegou", disse. "Foi genérico, ele leu. Mas passou a mensagem para educar a média daqueles que não sabem o que é o Brasil", apontou.

Acompanhe tudo sobre:DavosFórum Econômico MundialJair BolsonaroRobert Shiller

Mais de Economia

Congelamento de R$ 15 bi no Orçamento será oficializado nesta segunda

Brasil exporta 31 mil toneladas de biscoitos no 1º semestre de 2024

Corte anunciado por Haddad é suficiente para cumprir meta fiscal? Economistas avaliam

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Mais na Exame