Economia

Ativistas são impedidos de entrar em leilão da ANP

De acordo com a ONG 350.Org, a instituição obteve uma liminar para participar pacificamente do leilão, mas foram impedidos de entrar

A ANP informou que os ativistas não foram credenciados e a liminar obtida por eles está condicionada à lotação do local do leilão (./Divulgação)

A ANP informou que os ativistas não foram credenciados e a liminar obtida por eles está condicionada à lotação do local do leilão (./Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 27 de outubro de 2017 às 10h57.

Rio - Cerca de oito ativistas da ONG 350.Org foram barrados na porta do hotel onde está prevista a realização do leilão do governo de áreas do pré-sal nas bacias de Santos e Campos, que está suspendo por uma liminar concedida pela Justiça de Manaus.

De acordo com a diretora da 350.Org na América Latina, Nicole Oliveira, a ONG obteve uma liminar para participar pacificamente do leilão, mas foram impedidos de entrar.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou que os ativistas não foram credenciados e a liminar obtida por eles está condicionada à lotação do local do leilão.

"O número de pessoas credenciadas já está lotando o local e vão ter que esperar. Como o leilão está suspenso, só quando começar poderemos avaliar novamente a lotação", explicou a assessoria de imprensa.

De acordo com a diretora da 350.Org, a intenção do grupo é de acompanhar o leilão de maneira pacífica, para lembrar, com a presença da ONG, que a exploração petrolífera agride o meio ambiente e é arriscada em profundezas como a do pré-sal.

"Os blocos que vão ser leiloados hoje contém 5,4 bilhões de toneladas de CO2. O Brasil todo emite 2 bilhões de CO2. É um absurdo acreditar que isso não fará mal ao meio ambiente", disse Nicole.

Segundo a Petrobras, grande parte do CO2 retirados dos campos do pré-sal é reinjetado nos próprios reservatórios de onde são retirados, após separados do petróleo e do gás.

Acompanhe tudo sobre:ANPLeilõesPré-sal

Mais de Economia

Lira: sem mudanças, projeto sobre motoristas de aplicativo dificilmente será aprovado na Câmara

Em novo atrito com Congresso, governo pede ao STF que declare inconstitucional desoneração da folha

Após veto do governo, cobrança de imposto em apostas pode variar de 1,3% a 283% no ano, diz estudo

Mais na Exame