Ásia-Pacífico deve passar Am. do Norte como região mais rica

Riqueza privada financeira na Ásia-Pacífico cresce a mais de 20% por ano, já ultrapassou Europa e deve superar América do Norte em breve

	Fogos de artifício na cidade de Beijing, na China
 (Getty Images)
Fogos de artifício na cidade de Beijing, na China (Getty Images)
Por João Pedro CaleiroPublicado em 18/06/2015 13:36 | Última atualização em 18/06/2015 13:36Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo - A Ásia-Pacífico (excluindo Japão) já ultrapassou a Europa e deve superar a América do Norte como região mais rica do mundo até 2019.

A previsão é de um relatório da consultoria Boston Consulting Group lançado nesta semana, que estima a riqueza privada financeira total do mundo em US$ 164 trilhões em 2014, crescimento de 12% em um ano. 

"O crescimento da riqueza privada continuou na maior parte dos mercados em 2014, mas com taxas significativamente diferentes. Uma forte dinâmica 'mundo velho versus mundo novo' foi observada, com o chamado mundo novo crescendo em um ritmo muito mais rápido", diz o texto.

O estoque de riqueza na América do Norte cresceu 6% em 2014 e atingiu US$ 51 trilhões. A previsão é que o crescimento siga a uma taxa composta de 4,2% anuais até atingir US$ 62,5 trilhões em 2019.

Já na região da Ásia-Pacífico (excluindo Japão), o crescimento foi de impressionantes 27% em 2013 e 29% em 2014, atingindo US$ 47 trilhões. Com taxa composta de 9,7% anuais, o número chega a US$ 75,1 trilhões em 2019.

Em 2012, um gráfico da consultoria McKinsey já mostrava o pólo de gravidade da economia global caminhando (ou melhor, voltando) para o centro da Ásia. 

A riqueza na Europa Ocidental cresceu a 7% em 2014, mas ficou em US$ 40 trilhões e já perdeu o segundo lugar. A Europa Oriental cresceu bem mais (19%), puxada principalmente pela Rússia, mas segue como região menos rica (US$ 3 trilhões).

  Riqueza total (2014) Riqueza total (2019)
América do Norte US$ 50,8 tri US$ 62,5 tri
Ásia-Pacífico (sem Japão) US$ 47,3 tri US$ 75,1 tri
Europa Ocidental US$ 39,6 tri US$ 49 tri
Japão US$ 14,3 tri US$ 15,5 tri
África e Oriente Médio US$ 5,7 tri US$ 8,8 tri
América Latina US$ 3,7 tri US$ 6,6 tri
Europa Oriental US$ 2,9 tri US$ 4,6 tri

.

  Proporção da riqueza (2014) Proporção da riqueza (2019)
América do Norte 31% 28%
Ásia-Pacífico (sem Japão) 29% 34%
Europa Ocidental 24% 22%
Japão 9% 7%
África e Oriente Médio 3% 4%
América Latina 2% 3%
Europa Oriental 2% 2%

Na América Latina, o crescimento foi de 10% em 2014, mesma taxa do Brasil, maior mercado de riqueza privada da região. A riqueza privada chegou a US$ 1 trilhão no país e US$ 4 trilhões na região. 

"A expansão da riqueza privada no Brasil foi principalmente através da melhor performance de títulos (+12%) em um país onde 46% da riqueza privada está em títulos", diz o texto.

A América Latina também foi a única região do mundo onde a maior parte do aumento da riqueza privada veio de ativos novos do que de retorno de ativos existentes.

O relatório do BCG também mostra uma concentração de riqueza mundial cada vez maior nos indivíduos que detém mais de US$ 100 milhões em ativos. Este deve ser o segmento que vai mais crescer até 2019, tanto em membros quanto em riqueza total.