Atitudes de curto prazo para o sucesso no longo prazo

“Uma jornada de mil milhas começa com o primeiro passo”. Esta frase, atribuída ao filósofo chinês Lao Tsé, considerado o “pai” do Taoismo, ilustra qual deve ser o estado de espírito da pessoa que busca o sucesso, em especial o sucesso material e financeiro. Algumas pessoas não precisam se preocupar com o primeiro passo, pois o “primeiro passo” delas foi ter nascido em uma família rica… Outras, por circunstâncias especiais, […] Leia mais
V
Você e o Dinheiro

Publicado em 09/07/2012 às 18:23.

Última atualização em 24/02/2017 às 09:23.

“Uma jornada de mil milhas começa com o primeiro passo”. Esta frase, atribuída ao filósofo chinês Lao Tsé, considerado o “pai” do Taoismo, ilustra qual deve ser o estado de espírito da pessoa que busca o sucesso, em especial o sucesso material e financeiro. Algumas pessoas não precisam se preocupar com o primeiro passo, pois o “primeiro passo” delas foi ter nascido em uma família rica… Outras, por circunstâncias especiais, acabam conseguindo que essa jornada seja extremamente curta (o que nos leva a acreditar que elas nasceram com alguma parte específica do corpo virada para a Lua…), mas a verdade é que a maioria das pessoas acaba tendo que construir seu próprio caminho para conquistar o sucesso.

Não importa o quão distante nosso objetivo esteja (ou pareça estar) de nós, sempre há algo que podemos fazer agora, exatamente no momento presente, para iniciar o processo de conquista do sucesso. Veremos a seguir algumas ideias de coisas que podemos começar a fazer imediatamente e que, se forem feitas de forma séria e consistente, o sucesso será quase inevitável.

1-      Organize suas finanças

Pegue um papel, uma caneta e uma calculadora. Se preferir use uma planilha eletrônica, mas tome coragem e faça um inventário detalhado de suas finanças. Veja quanto você está ganhando “de verdade” (muita gente não tem noção de qual é seu ganho real, com todos os descontos), veja suas despesas recentes (normalmente temos uma surpresa quando colocamos todas as nossas despesas no papel), faça uma lista de todas as suas dívidas (se tiver) e de seus bens e investimentos. Veja qual é o seu verdadeiro “valor líquido” neste momento e comece a fazer um acompanhamento regular de suas contas.

William Thomson, físico irlandês criador da escala Kelvin de temperatura (e que ficou conhecido como “Lord Kelvin” por isso) costumava dizer que “aquilo que não se pode medir, não se pode melhorar”. Os profissionais que trabalham com motivação, preparação esportiva e outras atividades que dependem de metas sabem o quanto essa frase é verdadeira; por isso, comece imediatamente a “medir suas finanças”. Esse hábito vai fazer com que você tenha maior atenção aos seus gastos e atitudes financeiras, te dará uma maior consciência do dinheiro e fará com que sua situação financeira melhore.

2-      Saia de casa

Dinheiro é importante, mas tão ou mais importante que o dinheiro em si é nosso “capital pessoal”, que é, genericamente falando, a nossa capacidade de ganhar dinheiro. Um dos mais importantes componentes do capital pessoal é o “relacionamento”. A maioria dos profissionais e pessoas envolvidas com negócios reconhece a importância do “networking”, mas infelizmente pouca gente investe em uma boa rede de relacionamento. Em geral, pessoas começam a dar importância “pra valer” ao networking quando estão precisando de algum favor, e esse não é o momento mais adequado para começar a investir em relacionamentos. O networking é algo que deve ser plantado, cuidadosamente cultivado e deve ser iniciado imediatamente, não no momento em que você estiver precisando de ajuda.

Por isso saia de casa ou ligue para alguém, não para pedir algo, mas sim para cultivar o relacionamento. Faça isso de forma desinteressada e, em algum momento, o retorno virá. Todo amigo tem um amigo que tem um amigo… Quando criamos e cultivamos um networking eficiente, nosso acesso a oportunidades fica praticamente ilimitado.

3-      Vá estudar

O conhecimento é outro componente do nosso capital pessoal e, ironicamente, fazer um curso é uma das melhores maneiras de se criar relacionamentos (networking). Ou seja, melhora duplamente o capital pessoal. Mas tudo bem, voltar para a escola não é algo viável para muita gente, pois questões de custo, agenda ou logística podem pesar bastante.

Mas isso não impede que comecemos a investir em conhecimento imediatamente. Podemos nos autoeducar. Tudo bem que ler um livro ou fazer um curso gratuito na internet não nos dá um certificado, mas ainda assim é conhecimento que acumulamos, e conhecimento é a matéria prima das grandes ideias de negócios. Na economia do conhecimento, conhecimento é dinheiro…

Se você é como a maioria das pessoas que eu conheço, deve ter um monte de livros que comprou e nunca leu (e talvez nunca vá ler). Você diz que não arruma tempo para ler (mas misteriosamente sempre tem tempo para ver novelas, reality shows e futebol, não é mesmo?), mas que tal se organizar um pouco e “dar um fim” naquela pilha de livros que está empoeirando em algum canto?

Minha sugestão: organize uma lista de livros e estabeleça uma sequência de leitura. Essa sequência pode ser: um livro técnico/profissional, um livro de autoajuda/desenvolvimento pessoal e um livro de interesse geral e vá seguindo essa ordem, pois pegar todos os livros de um único tema e ler na sequência pode ser entediante e, considerando que você não os leu até agora, certamente isso não vai ajudar na sua motivação…

4-      Mantenha seus documentos em dia

Atualize seu curriculum. Não importa se você é um empresário, um profissional liberal ou mesmo um empregado que nunca sonhou em trocar de emprego. Tenha seu curriculum permanentemente atualizado, pois nunca se sabe o dia de amanhã. Pode surgir a oportunidade profissional “de sua vida” ou mesmo algo menor (porém lucrativo) como uma oportunidade de palestra ou uma consultoria em suas horas livres. Alguém pode pedir seu curriculum de forma inesperada, então tenha-o disponível para entregar imediatamente.

Mantenha também seus documentos pessoais em ordem e atualizados, como, por exemplo, o passaporte. Já vi pessoas conseguirem fantásticas oportunidades de trabalho onde o processo seletivo envolvia alguma entrevista ou reunião no exterior, e aí essas pessoas acabaram se “enrolando” (ou mesmo inviabilizando a concretização da oportunidade) por estarem com passaportes e vistos vencidos.

Essas atitudes de curto prazo que vimos são, na verdade, coisas que devem virar hábitos. O sucesso é em grande parte o resultado de bons hábitos. A construção de bons hábitos deve começar agora, ainda que os resultados desses hábitos demorem um pouco para aparecer.

E aproveito para finalizar este texto com uma frase de outro filósofo chinês, desta vez Confúcio: “Não importa o quão devagar você avance, contanto que você não pare”.