• AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
  • AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
Abra sua conta no BTG

Ex-acionistas do Banco Gerador vencem disputa com FGC

Em 2015, o FGC emprestou 35 milhões de reais ao Gerador, tendo cinco imóveis como garantia, no processo de sua venda para o grupo Agiplan
Paulo Dalla Nora Macêdo: A decisão saiu agora, dando ganho de causa à família Macêdo e condenando o FGC a uma multa de 15% (Exame/Lusco)
Paulo Dalla Nora Macêdo: A decisão saiu agora, dando ganho de causa à família Macêdo e condenando o FGC a uma multa de 15% (Exame/Lusco)
Por Primeiro LugarPublicado em 16/09/2019 18:08 | Última atualização em 16/09/2019 18:08Tempo de Leitura: 1 min de leitura

O Fundo Garantidor de Crédito (FGC), instituição mantida pelos maiores bancos do país, perdeu uma disputa jurídica com os antigos acionistas do Banco Gerador, de Pernambuco. Em 2015, o FGC emprestou 35 milhões de reais ao Gerador, tendo cinco imóveis como garantia, no processo de sua venda para o grupo Agiplan. Meses depois, os antigos donos do Gerador — incluindo o ex-presidente Paulo Dalla Nora Macêdo, seu pai e seu tio — pararam de pagar as parcelas.

Pelo contrato, o FGC teria direito a assumir os imóveis, mas o fundo queria receber de outras formas um montante que chegou a 68 milhões de reais. No início de 2018, os credores processaram o FGC para que cumprisse o contrato e assumisse as garantias. A decisão saiu agora, dando ganho de causa à família Macêdo e condenando o FGC a uma multa de 15%. Cabe recurso ao Supremo Tribunal de Justiça.