Acompanhe:

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira, 12, que designou a xilazina, também conhecida como tranquilizante ou "droga zumbi", como uma "ameaça emergente", para conseguir liberar fundos para combater esta substância que causa estragos no país. 

"Esta é a primeira vez na história de nossa nação que uma substância foi designada como uma ameaça emergente", afirmou o doutor Rahul Gupta, diretor do escritório da Casa Branca encarregado do combate às drogas, em entrevista coletiva.

A xilazina, autorizada como sedativo e analgésico veterinário desde 1972 pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, é aprovada apenas para uso em animais. Seu consumo pode diminuir a respiração e os batimentos cardíacos das pessoas a níveis perigosos e causar infecções que podem levar à amputação de membros.

Entre 2020 e 2021, a detecção de xilazina pela agência antidrogas (DEA) americana aumentou quase 200% no sul do país e mais de 100% no oeste.

A designação como uma ameaça emergente permitirá que os fundos solicitados pelo presidente Joe Biden ao Congresso sejam usados para o orçamento de 2024, disse Gupta.

"Precisamos do apoio do Congresso", implorou, para não ter de desviar dinheiro destinado a outras causas. "Não é um problema dos" estados democratas ou republicanos, "é um problema dos Estados Unidos", insistiu.

O governo é obrigado, em até três meses após a designação, a apresentar um plano de ação ao Congresso, que abordará diversas áreas: mais testes para detectar a droga e análises para entender melhor de onde ela vem, a fim de combater sua presença crescente no mercado ilegal.

A pesquisa médica é outra prioridade. "Reuniremos especialistas nacionais neste campo para (...) identificar as abordagens mais promissoras para a estabilização clínica, gestão de abstinência e protocolos de tratamento", detalhou Rahul Gupta.

Antídoto

Além disso, "precisamos de um antídoto", acrescentou. A naloxona, aprovada pelo FDA no final de março, é usada para reanimar uma pessoa que sofreu uma overdose de opioides, como o fentanil, mas não é eficaz contra a xilazina.

Fentanil e xilazina, ambos sintéticos, são frequentemente tomados juntos, de acordo com o DEA.

Em fevereiro, as autoridades de saúde dos Estados Unidos emitiram um "alerta de importação" para controlar melhor o fornecimento de xilazina e garantir que seja destinada ao uso veterinário.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Empresa privada mostra primeiras imagens transmitidas por sonda que irá pousar na Lua
Ciência

Empresa privada mostra primeiras imagens transmitidas por sonda que irá pousar na Lua

Há 16 horas

Nasa sai na busca de candidatos a 'viver' em Marte
Ciência

Nasa sai na busca de candidatos a 'viver' em Marte

Há um dia

Espaçonave 'fábrica de remédios' recebe autorização para voltar à Terra
Ciência

Espaçonave 'fábrica de remédios' recebe autorização para voltar à Terra

Há 5 dias

Médicos alertam sobre riscos para a saúde ocular durante o carnaval
Ciência

Médicos alertam sobre riscos para a saúde ocular durante o carnaval

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais