Ciência

Vacinas não causam autismo – e teoria é comprovadamente falsa

O mesmo vale para as vacinas da gripe, do tétano e, por fim, da covid-19: ciência enfatiza a segurança dos imunizantes

 (Ingrid Anne/Semcom/Divulgação)

(Ingrid Anne/Semcom/Divulgação)

Tamires Vitorio

Tamires Vitorio

Publicado em 9 de fevereiro de 2021 às 11h03.

Em 1998 um estudo semeou pânico na humanidade. Publicado pela prestigiada revista científica The Lancet à época, a pesquisa feita pelo doutor Andrew Wakefield apontou uma correlação entre a vacina tríplice viral e o autismo – em 2020, a revista se retratou sobre a investigação, retirando o artigo do ar e a constatação de Wakefield foi confirmada como uma "falsificação elaborada" pelo British Medical Journal (BMJ). Em tempos de coronavírus, diversas pessoas tentam reviver uma teoria que é comprovadamente falsa.

Depois da publicação da pesquisa, diversas investigações foram feitas por países diferentes, como o Reino Unido, o Canadá e os Estados Unidos. Todas concluíram a mesma coisa: o estudo de Wakefield era falso – e que vacinação e autismo não tinham relação alguma.

Em 2010, o Conselho Geral de Medicina (GMC) afirmou que Wakefield agiu de forma "desonesta", "enganosa" e irresponsável e perdeu seu registro, ou seja, foi impedido de praticar medicina após o estudo que até hoje ainda é trazido à tona para justificar decisões antivacinas. Algo que não teria acontecido se a conclusão do médico fosse verdadeira.

Anos depois da publicação do estudo, viu-se uma queda expressiva na vacinação no Reino Unido – o que poderia ter causado uma crise de saúde. Nos Estados Unidos, a situação foi ainda mais longe: muitos pais se recusaram a vacinar seus filhos, o que contribuiu para um aumento direto de casos de sarampo no país.

Ao se retratar, a The Lancet acatou uma decisão do General Medical Council (Conselho Geral de Medicina) britânico, que afirmava que alguns elementos do artigo de 1998 eram inexatos e seus métodos de pesquisa pouco éticos. A pesquisa de Wakefield levava em conta apenas 12 crianças, um número muito baixo para qualquer afirmação grave como a que ele fez.

As pesquisas recentes

Recentemente, o mais amplo e complexo estudo sobre o tema, realizado na Dinamarca, revelou que não existe qualquer relação entre a vacina contra rubéola, varicela e sarampo, a tríplice viral, e o autismo. O estudo, realizado pelo Instituto Serum Statens, acompanhou a evolução de cerca de 660 mil crianças que nasceram entre os anos de 1999 e 2010, sendo que todas foram acompanhadas até o ano de 2013.

A conclusão foi a seguinte: não houve um aumento na incidência de autismo no caso de quem foi vacinado. Apenas 6.517 crianças foram diagnosticadas com o transtorno do espectro do autismo, o que significa que, a cada 100 mil habitantes, 129,7 recebem esse diagnóstico – sem diferença alguma entre as que foram e as que não foram vacinadas e, no caso das que receberam a vacina, não foi verificado um aumento no risco.

À época, em entrevista à agência de notícias Reuters, o autor do estudo, Anders Hviid, afirmou que os pais não devem deixar de vacinar os filhos por medo do autismo. Tudo parecia ter sido deixado no passado – até o surgimento de vacinas contra a covid-19.

O autismo, a vacina e a covid-19

Sobre as vacinas já aprovadas contra o novo coronavírus existem uma série de teorias falsas, desde chips implementados por Bill Gates até a alteração do DNA humano, e, vira e mexe, a relação entre o autismo volta a ser um dos pontos discutidos por aqueles que são contra campanhas de vacinação.

Nas redes sociais, diversas publicações associam o uso dos imunizantes contra o coronavírus com o transtorno. Em uma das publicações, um usuário afirma que "existem evidências irrefutáveis" – como mostrado nesta reportagem, todas as afirmações são facilmente refutadas de acordo com a ciência.

A rede social reddit, por sua vez, criou um domínio chamado "como vacinas causam autismo", no qual, quando um usuário clica em qualquer publicação, é dirigido para uma página que afirma, com todas as letras, que: "elas não causam autismo de jeito nenhum". Uma boa forma de informar as pessoas, visto que o site é um dos primeiros a aparecer no Google.

Refutando a teoria

No ano passado, um artigo publicado no site científico WebMD foi direto: não, as vacinas não causam o transtorno. "Em 2004, o Immunization Safety Review Committee of the Institute of Medicine publicou um relatório sobre o assunto. O grupo observaram todos os estudos sobre vacinação e autismo, tanto os publicados quanto os não publicados. O relatório, de 200 páginas, mostrou que não existiam evidências de uma ligação entre vacinas e autismo", concluiu.

O mesmo vale para as vacinas da gripe, do tétano e, por fim, da covid-19.

As causas do autismo são desconhecidas até hoje, e diversos estudos identificam sintomas do transtorno em crianças muito antes do recebimento da vacina tríplice viral – pesquisas mais recentes, ainda, trazem evidências de que o autismo é desenvolvido no útero, muito antes de seu nascimento ou de ser vacinado.

Acompanhe tudo sobre:Doençasvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Ciência

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

AstraZeneca admite efeito colateral raro da vacina contra covid-19

Aranhas em marte? Fenômeno cria 'aracnídeos' no planeta vermelho

Mais na Exame