Ciência

Vacina da Janssen é eficaz contra variante delta, mostra estudo

O estudo, chamado Sisonke, fornece a primeira evidência em larga escala de que a vacina da J&J é eficaz contra essa variante dominante, de acordo com a colíder do estudo, Glenda Gray

Janssen: embora o imunizante da J&J seja um elemento-chave para o plano de vacinação da África do Sul, o país fez uma pausa temporária com a vacina em abril (Bloomberg/Bloomberg)

Janssen: embora o imunizante da J&J seja um elemento-chave para o plano de vacinação da África do Sul, o país fez uma pausa temporária com a vacina em abril (Bloomberg/Bloomberg)

B

Bloomberg

Publicado em 6 de agosto de 2021 às 11h19.

Última atualização em 6 de agosto de 2021 às 12h22.

Por Janice Kew e Antony Sguazzin, da Bloomberg

A vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson ajuda a prevenir quadros graves entre pessoas infectadas com a variante delta, segundo ensaio com a participação de quase 480 mil profissionais de saúde na África do Sul.

O estudo, chamado Sisonke, fornece a primeira evidência em larga escala de que a vacina da J&J é eficaz contra essa variante dominante, de acordo com a colíder do estudo, Glenda Gray. O imunizante provavelmente protege mais contra a delta do que indicava em relação à cepa anterior beta, disse em apresentação na sexta-feira.

A vacina da J&J de dose única mostrou 71% de eficácia contra hospitalizações e de até 96% contra mortes, disse. Também demonstrou durabilidade de oito meses.

“Esses resultados mostram que ainda não há necessidade de reforço”, disse Gray, que é presidente do Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul.

Embora o imunizante da J&J seja um elemento-chave para o plano de vacinação da África do Sul, o país fez uma pausa temporária com a vacina em abril, depois que os Estados Unidos decidiram suspendê-la por causa da associação a casos raros de trombose. Outros dados levantaram questões sobre a eficácia da vacina contra a cepa altamente contagiosa que gerou novos surtos em países como EUA e China.

Um estudo dos EUA divulgado no mês passado mostrou que o imunizante da J&J produziu níveis relativamente baixos de anticorpos contra a delta. A J&J disse que a análise, que não foi publicada em uma revista revisada por pares, examinou apenas um aspecto da proteção e não considerou respostas de longa duração entre as células imunológicas estimuladas pela vacina. Pesquisadores da farmacêutica disseram que seus dados indicaram que a vacina neutraliza a variante e que doses adicionais não são necessárias.

Vacinação na África

No início do ano, a J&J fechou um acordo para fornecer até 400 milhões de vacinas para a União Africana até o final de 2022, impulsionando a imunização no continente que está atrás da maior parte do mundo na corrida contra a pandemia. O fato de a vacina exigir apenas uma dose é visto como benéfico para a África, onde a distribuição para mais de 1 bilhão de pessoas amplamente dispersas provavelmente representará um desafio.

No estudo, a vacina foi administrada a profissionais de saúde em 120 locais de áreas urbanas e rurais de 17 de fevereiro a 17 de maio. A análise de um terceiro conjunto de dados é esperada nos próximos dias.

Houve dois casos da síndrome de trombose rara com trombocitopenia entre os participantes, mas ambos se recuperaram completamente, disse Gray.

  • Quer saber tudo sobre o desenvolvimento e eficácia de vacinas contra a covid-19? Assine a EXAME e fique por dentro.
Acompanhe tudo sobre:África do SulCoronaJohnson & JohnsonPandemiavacina contra coronavírusVacinas

Mais de Ciência

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Covid-19 e gripe: vacina combinada da Moderna mostra alta eficácia

Mais na Exame