Um asteroide vai atingir a Terra em 2022? Não é bem assim

Segundo a Nasa, chances de o asteroide causar problemas são baixas. Se por um acaso nada afortunado o asteroide caísse na Terra, o impacto conseguiria causar uma explosão maior que Hiroshima e Nagasaki

Um asteroide de cerca de 13 metros de diâmetro passará perto da Terra em maio de 2022, com um risco baixo de atingi-la, segundo a Nasa. O 2009 JF1, como é chamado, tem uma probabilidade de 0,026%, ou seja, de uma em 3.800, de causar problemas para o nosso planeta. Mas não é preciso se preocupar – na escala de Turim, que mede os objetos próximos à Terra, a chance de isso acontecer é igual a zero.

Já segundo a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês), a chance de o asteroide sofrer um impacto com a terra é de uma em 4.166. Em junho do ano passado, a ESA afirmou que "o asteroide pequeno não havia sido observado desde a sua descoberta há 11 anos", e é daí que vem a incerteza sobre o seu posicionamento.

Quer trabalhar na área de tecnologia? Aprenda data science e python do zero. Comece agora!

A pedra espacial é considerada perigosa pela Nasa, sendo qualificada como um objeto próximo à Terra – aqueles que perto o suficiente para ser considerados uma ameaça. Apesar da proximidade, não é provável que ele acabe atingindo o planeta, deixando-o ileso (pelo menos dessa vez).

Isso porque, segundo a agência espacial americana, um asteroide menor do que 25 metros queima ao entrar na atmosfera terrestre, causando pouco ou nenhum dano. Mas se por um acaso nada afortunado o asteroide caísse na Terra, seu impacto conseguiria causar uma explosão equivalente a 230 quilotons de dinamite – mais forte até mesmo do que as bombas que destruíram as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki.

Little Boy tinha um poder de destruição de 16 quilotons, enquanto a Fat Man possuía 20 quilotons. A mais potente criada pela humanidade foi a russa Tsar, desenvolvida pela União Soviética. Com 58 megatons, ela foi testada em 30 de outubro de 1961, em Nova Zembla, uma ilha no oceano Ártico — uma ameaça grande o suficiente para assustar os Estados Unidos durante o período da Guerra Fria. Nada páreo para o poder de um asteroide. 

É por conta desse potencial destruidor que as agências espaciais do mundo todo estão trabalhando para desenvolver formas de proteger a Terra de ameaças causadas por asteroides. Em julho deste ano, a Nasa pode lançar a sua missão DART, com o objetivo de observar o par de asteroides Didymos, que ficam próximos da Terra e causar uma colisão para reduzir o seu potencial destruidor.

A ideia é entender como um asteroide pode prejudicar a vida das pessoas no planeta e evitar que isso aconteça. O menor integrante da dupla, chamado de Didymoon, orbita seu parceiro maior enquanto fazem a sua viagem pelo Sol — por isso, a missão quer saber se é possível fabricar uma colisão entre ambos os asteroides para alterar a orbita do pequeno objeto. A data marcada para a colisão, se tudo der certo, é 22 de setembro.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.