• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Superbac, de biotecnologia, deve dobrar o faturamento previsto para 2022

Com a escassez dos fertilizantes químicos causada pela guerra na Ucrânia, a empresa com sede no Paraná viu a demanda por seus bioinsumos aumentar
Mozart Fogaça, vice-presidente da Superbac, no complexo fabril em Mangaduari: planos antecipados (Reprodução/Foto)
Mozart Fogaça, vice-presidente da Superbac, no complexo fabril em Mangaduari: planos antecipados (Reprodução/Foto)
Por André LopesPublicado em 25/04/2022 13:30 | Última atualização em 25/04/2022 18:22Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Em outubro de 2021, a reportagem da EXAME foi até o Paraná conhecer o nova fábrica da Superbac, empresa brasileira de biotecnologia. Na época, a companhia, cujo carro-chefe é o segmento de bioinsumos fermentados, estimava um faturamento próximo de 1 bilhão de reais. No entanto, com a avaliação do seu primeiro trimestre de vendas, o cenário mudou, e mudou para melhor: a Superbac deve faturar o dobro do previsto.

A razão para reavaliar a receita vem, sobretudo, dos reflexos negativos da guerra da Ucrânia sobre o mercado global de fertilizantes químicos. Cerca de 85% dos fertilizantes usados na agricultura brasileira vêm do exterior, de acordo com balanço da Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda). A maior parte, da Rússia, que é o maior exportador mundial de NPK — fertilizantes nitrogenados (N), fosfatados (P) e os de potássio (K). 

Com isso, a empresa se tornou um trunfo para o agronegócio brasileiro, que atualmente, além da falta do produto importado, também está mais preocupado com os pilares do ESG. No fertilizante da Superbac, o NPK corresponde por apenas 50% do composto. O potencial é tanto que a companhia comandada por Luiz Chacon avalia que as bactérias que produz serão usadas como defensivo agrícola em 4,5 milhões de hectares no país até o fim deste ano, ante 3 milhões de hectares em 2021.

"Estamos com plena capacidade produtiva em um momento de alta demanda. Nosso cronograma de crescimento, estudado para 2023, certamente será antecipado", afirma Mozart Fogaça, vice-presidente da Superbac.

VEJA TAMBÉM

Como a nova fábrica da Superbac quer fermentar a biotecnologia no Brasil