Ciência
Acompanhe:

Sonda InSight se aposenta após quatro anos de trabalho em Marte

Equipada com um sismômetro ultrassensível de fabricação francesa, a InSight registrou mais de 1.300 "Marsquakes" (tremores marcianos)

Graças à análise das ondas sísmicas que atravessam as entranhas do planeta vermelho, a missão permitiu conhecer melhor as camadas interiores de Marte (NASA/JPL-CalTech/MSSS/Reprodução)

Graças à análise das ondas sísmicas que atravessam as entranhas do planeta vermelho, a missão permitiu conhecer melhor as camadas interiores de Marte (NASA/JPL-CalTech/MSSS/Reprodução)

A
AFP

21 de dezembro de 2022, 20h18

A Nasa anunciou, nesta quarta-feira, 21, a “aposentadoria”de sua sonda InSight, que investigava há quatro anos o interior de Marte para revelar seus segredos.

O fim da missão era esperado, já que a sonda operava com pouquíssima energia há várias semanas, devido ao acúmulo de poeira marciana em seus painéis solares, um fenômeno que havia sido antecipado desde o início pela agência espacial americana.

“Embora dizer adeus a uma nave espacial seja sempre triste, o fascinante trabalho científico realizado pela InSight é motivo de comemoração”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da Nasa, em um comunicado.

Equipada com um sismômetro ultrassensível de fabricação francesa, a InSight registrou mais de 1.300 "Marsquakes" (tremores marcianos), alguns causados por impactos de meteoritos. Um deles, ocorrido há um ano, foi tão poderoso que arremessou blocos de gelo na superfície marciana.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

O último sinal recebido da InSight foi em 15 de dezembro. Desde então, a Nasa fez duas tentativas frustradas de estabelecer contato com o dispositivo, o que levou as equipes a concluírem que as baterias da sonda tinham chegado ao fim.

A agência espacial americana vai continuar à escuta de um possível sinal "por via das dúvidas", mas esta possibilidade é considerada "muito improvável", explicou em um comunicado.

Graças à análise das ondas sísmicas que atravessam as entranhas do planeta vermelho, a missão permitiu conhecer melhor as camadas interiores de Marte.

Os cientistas conseguiram confirmar que seu núcleo é líquido e determinar a espessura da crosta marciana, que é menos densa do que se pensava anteriormente.

A missão já havia sido estendida devido a uma ousada limpeza dos painéis solares: o braço do robô afundou no solo e arremessou suavemente terra marciana sobre si próprio em dias de vento.

O vento, então, levou esta terra, arrastando consigo parte do pó acumulado nos painéis.

A sonda InSight chegou a Marte em novembro de 2018.