Primeiras galáxias podem ter se formado antes do que os astrônomos pensavam, diz estudo

Descobertas estão sendo feitas graças às observações do telescópio espacial James Webb, que está reformulando a compreensão do universo
A extrema luminosidade das estrelas levanta duas possibilidades intrigantes, disseram nesta quinta-feira (17) os astrônomos em uma coletiva de imprensa da Nasa (AFP/AFP Photo)
A extrema luminosidade das estrelas levanta duas possibilidades intrigantes, disseram nesta quinta-feira (17) os astrônomos em uma coletiva de imprensa da Nasa (AFP/AFP Photo)
A
AFPPublicado em 18/11/2022 às 12:59.

As primeiras galáxias podem ter se formado há mais tempo do que os astrônomos estimavam, segundo observações do telescópio espacial James Webb, que está reformulando a compreensão do universo.

Os pesquisadores que usam o poderoso telescópio publicaram um artigo na revista Astrophysical Journal Letters em que documentam duas galáxias excepcionalmente brilhantes e distantes, com base em dados colhidos nos primeiros dias de operação do Webb, em julho.

A extrema luminosidade das estrelas levanta duas possibilidades intrigantes, disseram nesta quinta-feira (17) os astrônomos em uma coletiva de imprensa da Nasa.

A primeira é que essas galáxias seriam muito grandes, com muitas estrelas de baixa massa como as galáxias de hoje, e teriam começado a se formar 100 milhões de anos após o Big Bang, que ocorreu há 13,8 bilhões de anos.

O que dizem as últimas pesquisas científicas mais importantes? Descubra ao assinar a EXAME, por menos de R$ 0,37/dia.

Isso também significaria que se formaram 100 milhões de anos antes do que hoje é considerado o fim da chamada era das trevas cósmica, quando o universo era apenas gás e matéria escura.

Outra possibilidade é que essas galáxias sejam de estrelas da chamada “População III”, que nunca haviam sido observadas, mas que, teoricamente, eram formadas unicamente por hélio e hidrogênio, antes do surgimento de elementos mais pesados.

Como essas estrelas queimavam em temperaturas extremas, as galáxias não teriam que ser tão enormes para explicar o brilho observado pelo Webb, e poderiam ter começado a se formar mais tarde.

"Estamos vendo galáxias tão brilhantes e luminosas tão cedo, que não temos certeza do que está acontecendo", disse a repórteres Garth Illingworth, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz.

A rápida descoberta de galáxias também desafia as expectativas de que o telescópio precisaria explorar um volume muito maior de espaço para encontrá-las.

“É uma surpresa que existam tantas que se formaram tão cedo”, acrescentou o astrofísico Jeyhan Kartaltepe, do Instituto Tecnológico de Rochester.

As duas galáxias definitivamente existiram entre 450 e 350 milhões de anos após o Big Bang. Uma delas, chamada GLASS-z12, é agora a luz estelar mais distante já vista.

Quanto mais longe as estrelas estão, mais tempo leva para sua luz atingir a Terra, então olhar para o universo distante é ver o passado profundo.

LEIA TAMBÉM: