Ciência

Pesquisadores convertem ar poluído em energia limpa

Processo responde a duas grandes necessidades de nosso tempo: ar puro e produção de energia alternativa

 (UAntwerpen e KU Leuven/Divulgação)

(UAntwerpen e KU Leuven/Divulgação)

Vanessa Barbosa

Vanessa Barbosa

Publicado em 16 de maio de 2017 às 11h53.

São Paulo - Todos os anos, o ar poluído mata mais de cinco milhões de pessoas no mundo, quase a população da Dinamarca inteira. Em um esforço para combater os efeitos adversos da poluição, pesquisadores belgas desenvolveram um processo capaz de purificar o ar e, de quebra, gerar energia limpa, atacando assim dois grandes desafios ambientais ao mesmo tempo.

Trata-se de um pequeno dispositivo que, na presença de luz solar, consegue converter os compostos de ar poluído em gás hidrogênio, uma fonte de energia promissora. Ele é composto por duas câmaras separadas por uma membrana de nanomateriais específicos responsáveis por toda a "mágica": uma câmara limpa o ar e a outra gera o gás hidrogênio.

Esses materiais foram usados ​​no passado principalmente para extrair hidrogênio da água, mas os pesquisadores descobriram que o processo também era possível - e ainda mais eficiente - com ar poluído.

"O gás hidrogênio pode ser armazenado e usado mais tarde como combustível, como já está sendo feito em alguns ônibus", explica o professor Sammy Verbruggen, principal autor do estudo.

Atualmente, os pesquisadores estão trabalhando em uma escala de apenas alguns centímetros quadrados. "Numa fase posterior, gostaríamos de ampliar nossa tecnologia para tornar o processo aplicável industrialmente", diz Verbruggen.

Eles também estão dedicados à melhoria dos materiais para que possam usar luz solar de forma mais eficiente para desencadear as reações. o estudo foi publicado na revista científica ChemSusChem.

Acompanhe tudo sobre:Meio ambientePoluiçãoTecnologias limpas

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame