Ciência

Como funciona a vacina bivalente contra a covid-19 que começa a ser aplicada nesta segunda

Produzida pela Pfizer, o imunizante é indicado como dose única de reforço para crianças e adultos

Criança recebe uma dose da vacina Pfizer como parte da campanha de imunização COVID-19 em 18 de janeiro de 2022 em Belo Horizonte, Brasil (Pedro Vilela/Getty Images)

Criança recebe uma dose da vacina Pfizer como parte da campanha de imunização COVID-19 em 18 de janeiro de 2022 em Belo Horizonte, Brasil (Pedro Vilela/Getty Images)

Publicado em 26 de fevereiro de 2023 às 15h25.

Última atualização em 27 de fevereiro de 2023 às 07h08.

O Ministério da Saúde começa a aplicar nesta segunda-feira, 27, em todo o país, a vacina bivalente contra a covid-19.

O imunizante, que segue como parte no plano vacinal iniciado na pandemia, melhora a imunidade contra o vírus da cepa original e também contra a variante Ômicron, e possui perfil de segurança e eficácia semelhante ao das vacinas monovalentes.

No Brasil, duas vacinas bivalentes, ambas produzidas pelo laboratório Pfizer, receberam autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso emergencial. Elas são indicadas como dose única de reforço para crianças e adultos, após dois meses da conclusão do esquema vacinal primário, ou como última dose de reforço.

O ministério reforça que as vacinas monovalentes contra a covid-19 seguem disponíveis em unidades básicas de Saúde (UBS) para a população em geral e são classificadas como “altamente eficazes contra a doença”, garantindo grau elevado de imunidade e evitando casos leves, graves e óbitos pela doença.

“A aplicação da bivalente não significa que as vacinas monovalentes não continuam protegendo. Elas continuam protegendo, mesmo para a variante Ômicron, mas, claro, tendo a possibilidade de uma vacina desenhada mais especificamente para a variante circulante, a tendência é termos uma melhor resposta", reforçou o diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, Juarez Cunha.

Quem pode receber a vacina bivalente?

Inicialmente, a vacina será aplicada somente nos grupos de risco. Conforme divisão anunciada pelo ministério, a imunização será feita na fase 1 em pessoas acima de 70 anos de idade, imunocomprometidos, indígenas, ribeirinhos e quilombolas; na fase 2, pessoas com idade entre 60 anos e 69 anos de idade; na fase 3, gestantes e puérperas; e na fase 4, profissionais de saúde.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusVacinas

Mais de Ciência

Ozempic reduz risco de morte para pessoas com diabetes, revela estudo

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Mais na Exame