Ciência

Greenpeace divulga primeiras fotos de corais da Amazônia

Pesquisadores anunciaram a descoberta dos corais em abril do ano passado, e agora fizeram expedição para fotografá-los

Corais: entidades alertam para o risco da exploração de petróleo na região (Greenpeace/Divulgação)

Corais: entidades alertam para o risco da exploração de petróleo na região (Greenpeace/Divulgação)

AB

Agência Brasil

Publicado em 31 de janeiro de 2017 às 08h06.

Última atualização em 31 de janeiro de 2017 às 13h59.

Pesquisadores de diversas universidades brasileiras e a organização não governamental Greenpeace divulgaram as primeiras imagens do recife de corais da Amazônia.

Uma embarcação saiu do Porto de Santana, no Amapá, em direção à foz do Rio Amazonas, onde está o recife de corais, esponjas e rodolitos de 9,5 mil quilômetros quadrados (km²) - uma área 20% maior que a região metropolitana de São Paulo.

Com o auxílio de um submarino, a ong Greenpeace e pesquisadores que anunciaram a descoberta dos corais, em abril do ano passado, fizeram uma expedição desde o dia 24 com o objetivo de observar, pela primeira vez, o recife e alertar sobre os perigos da exploração de petróleo na região.

"O objetivo da campanha [Defenda os Corais da Amazônia] é defender os corais da Amazônia. Esses corais são um novo bioma, um bioma único no mundo, porque eles estão localizados em uma região, uma área onde não se pensava possível a existência de corais como esses. E esse novo bioma já nasce ameaçado", disse Thiago Almeida da Campanha de Energia do Greenpeace.

Segundo Almeida, a perfuração e exploração de petróleo na região pode começar ainda este ano e "toda atividade petrolífera traz consigo o risco de um derramamento de petróleo".

Ele disse que, em caso de um vazamento, não só os corais estariam ameaçados, mas as comunidades tradicionais da região, incluindo pescadores, extrativistas, quilombolas e indígenas, que dependem da costa brasileira para sobreviver, seriam gravemente afetados.

No sábado (28), o submarino foi lançado do navio Esperanza com o cientista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Fabiano Thompson, e Kenneth Jozeph Lowick, do Greenpeace da Bégica.

O cientista da UFRJ liderou o grupo de cientistas que descobriu o recife de corais na foz do Rio Amazonas.

Veja as fotos:

Primeiras fotos dos corais da Amazônia divulgadas pelo Greenpeace e grupo de pesquisadores - Montes de rodolitos formados por peixes

Montes de rodolitos formados por peixes (Divulgação)

Primeiras fotos dos corais da Amazônia divulgadas pelo Greenpeace e grupo de pesquisadores - sponjas amarelas, entre outras espécies, se misturam a algas e rodolitos

Esponjas amarelas, entre outras espécies, se misturam a algas e rodolitos (Divulgação)

Primeiras fotos dos corais da Amazônia divulgadas pelo Greenpeace e grupo de pesquisadores - Entre algas coloridas e rodolitos, o caranguejo-aranha faz sua limpeza na companhia do peixe-borboleta

Entre algas coloridas e rodolitos, o caranguejo-aranha faz sua limpeza na companhia do peixe-borboleta (Divulgação)

Acompanhe tudo sobre:AmazôniaGreenpeace

Mais de Ciência

Ozempic reduz risco de morte para pessoas com diabetes, revela estudo

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Mais na Exame