Ciência

Espécie rara de felino ameaçada de extinção é vista no norte do RJ

O gato-maracajá é um felino de hábitos noturnos e solitários característico da Mata Atlântica e foi avistada pela primeira vez, na Estação Estadual de Guaxindiba, no norte do estado

Gato-maracajá foi fotografado na Estação Estadual de Guaxindiba. (Inea-RJ/Divulgação)

Gato-maracajá foi fotografado na Estação Estadual de Guaxindiba. (Inea-RJ/Divulgação)

A
Agência Brasil

15 de outubro de 2022, 15h57

Uma espécie rara de felino nativo da Mata Atlântica e em risco de extinção foi avistada pela primeira vez, na Estação Estadual de Guaxindiba (EEEG), no norte fluminense, pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) do Rio de Janeiro.

Embora o animal já tivesse sido detectado em armadilhas fotográficas, somente no início deste mês, os guarda-parques conseguiram avistar o gato-maracajá (Leopardus wiedii) e fotografá-lo.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

De acordo com o Inea, a imagem foi feita durante ação de educação ambiental na EEEG com uma escola da região. A existência do gato-maracajá na unidade, já era conhecida há cinco anos por pesquisadores da Universidade Estadual Do Rio de Janeiro (Uerj), que realizaram um trabalho científico no local por meio da instalação de câmeras trap em toda a estação.

O animal, no entanto, nunca havia sido visto pessoalmente até a semana passada, quando pesquisadores começaram a monitorá-lo, após o avistamento na mata.

Segundo o Inea, o gato-maracajá é um felino de hábitos noturnos e solitários característico da Mata Atlântica e será incluído no Plano de Manejo de Guaxindiba.

O presidente do Inea, Philipe Campello, comemorou a descoberta. “O Inea trabalha diariamente na promoção e manutenção do bem-estar dos animais silvestres do estado do Rio de Janeiro. Ficamos muito felizes com aparições como essa, porque a preservação das espécies, um dos pilares do instituto, é essencial para a sustentabilidade de ecossistemas como a Mata Atlântica”, observou.

Para o governador Cláudio Castro, a comprovação da existência do animal na unidade reforça a importância do trabalho diário do Instituto Estadual do Ambiente na busca da preservação da biodiversidade do estado.

“[O Inea] atua diariamente para contribuir com a preservação da biodiversidade fluminense, além de estimular e promover o desenvolvimento sustentável do estado. Dessa forma, o Rio de Janeiro mantém o seu legado enquanto vanguarda socioambiental do país e colabora para um futuro ecologicamente viável”, disse.

EEEG

A Estação Ecológica Estadual de Guaxindiba, que é administrada pelo Inea, foi criada em 2002. A unidade se espalha por uma área de aproximadamente 3.260 hectares e está localizada no município de São Francisco de Itabapoana, em área de baixada litorânea.

“A unidade de conservação foi criada com o objetivo de proteger a formação florestal do bioma Mata Atlântica, conhecida como Mata de Tabuleiro, situada numa planície costeira, a 25 m acima do nível do mar”, completou o Inea.